Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

COI suspende Comitê Olímpico Russo de maneira imediata; veja consequência

Participação de atletas nos Jogos Olímpicos de Paris ainda será analisada posteriormente

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou, nesta quinta-feira (12), a suspensão do Comitê Olímpico Russo. De acordo com o comunicado, a decisão tem efeito imediato e não tem prazo para chegar ao fim.

Com a nova punição, os russos deixam de ser considerados um comitê reconhecido pela entidade internacional e, por isso, não terá acesso a recursos financeiros.

A nova sanção, no entanto, não interfere diretamente na participação de atletas nascidos na Rússia como “neutros” nos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024, e Jogos de Milão, em 2026. Seguindo a norma que vigora desde março, os casos serão analisados em “momento apropriado”.

O banimento é uma consequência da decisão do Comitê Olímpico Russo em ter colocado sob sua autoridade cinco organizações regionais ucraniana: Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia. A ação, que legitima a ocupação russa, fere o Movimento Olímpico.

Reação russa

Após o anúncio do COI, o Comitê Olímpico Russo denunciou o que chamou de decisão “política” e “contraproducente” da mais alta entidade olímpica.

“O COI tomou uma nova decisão contraproducente e claramente por uma motivação política”, reagiu o comitê russo, em seu canal no Telegram.

Defendeu, ainda, que “os atletas russos, cuja maioria ainda está injustificadamente excluída das competições internacionais, não se veem, de forma alguma, afetados por essa decisão”.

Reação ucraniana

O governo ucraniano reagiu na sequência, celebrando a decisão.

“O esporte não pode estar separado da política quando um país terrorista comete um genocídio contra a Ucrânia e utiliza os esportistas como propaganda”, declarou o chefe da administração presidencial ucraniana, Andriy Yermak.

O COI mantém sob sanção o esporte russo e bielorrusso desde que, no final de fevereiro de 2022, o Exército russo invadiu a Ucrânia. O ato foi considerado uma violação da trégua olímpica durante os Jogos de Inverno de Pequim 2022. Nesse sentido, recomendou-se às federações internacionais a proibição de todas as competições em território russo, assim como a presença de qualquer símbolo oficial da Rússia, seja o hino, seja a bandeira.

Já sua posição a respeito da participação de atletas russos e bielorrussos (por serem aliados de Moscou) em competições internacionais mudou. Passou da exclusão, em um primeiro momento, para a possibilidade de reingresso, decidida em março passado. As condições para essa participação são que isso ocorra em provas individuais, os atletas compitam sob bandeira neutra e não tenham apoiado “ativamente a guerra na Ucrânia”.

Até o momento, o COI ainda não decidiu se os atletas dessas duas nacionalidades poderão participar dos Jogos de Verão de Paris 2024, ou dos Jogos de Inverno de Milão, dois anos depois.

Hugo Lobão é repórter multimídia do portal Itatiaia Esporte. É formado em Jornalismo pela PUC Minas. Antes da Itatiaia, passou por Hoje Em Dia, Record e Globo Esporte. Amante de esportes olímpicos.
Leia mais