Ouvindo...

Times

Milito fala de dor por nova derrota do Atlético: ‘Jogar com o orgulho e a vergonha’

O técnico argentino completou 19 partidas no comando do Galo e sofreu a quarta derrota

Dezenove partidas, com 10 vitórias, cinco empates e outras quatro derrotas. Este é o saldo do técnico Gabriel Milito, contrato no final de março para ser o substituto de Luiz Felipe Scolari no Atlético. Nesta quinta-feira (20), o comandante argentino amargou o segundo revés consecutivo; desta vez, para o então lanterna do Campeonato Brasileiro.

No Barradão, o Alvinegro perdeu por 4 a 2 para o Vitória e caiu para a décima colocação. Vindo de goleada por 4 a 0, em casa, para o Palmeiras, o Galo voltou a sofrer com os inúmeros desfalques. Desta vez, até sem Hulk e Paulinho, as referências do ataque. Além da ausência de titulares, faltaram também inspiração e organização ao time na capital baiana.

Leia também

“Tínhamos Claramente a intenção de fazer outro jogo (reabilitar da derrota para o Palmeiras). Tivemos situações claras para virar, quando estava 1 a 1, mas não convertemos. Nos custou muito controlar as transições defesa/ataque. Eles tiveram um contra-ataque rápido. Precisávamos defender mais as bolas “no costado”. Sofremos quatro gols, mas acho que poderíamos ter jogado muito melhor e evitado. Toda derrota dói, muito, e esta, especialmente, mais porque viemos para fazer uma partida melhor. Tínhamos que ter melhores ações defensivas. Com calma, vamos fazer uma análise profunda e correta para melhorar, e que não volte a acontecer”, destacou o comandante atleticano.

“Levantaremos com força e voltaremos a competir. Queremos sair logo desta fase de derrotas. Às vezes acontece no futebol. Agora teremos a dor da derrota, mas seguiremos trabalhando e, sobretudo, aprendendo para não repetir. Temos que jogar com orgulho e com a vergonha por ter perdido. E isso te melhora”, foi além.

Assume a responsabilidade

Apesar de apontar falhas dos sistemas ofensivo e defensivo no duelo com o Leão, Milito chamou a responsabilidade de novo revés para si.

“Eu decidi o plano de jogo, quem iniciava o jogo e quem entrava. Assumo a responsabilidade. Sou o primeiro a ter autocrítica. É assimilar a derrota com muita dor e muita bronca, mas é seguir à diante, lutando. Não há outro caminho”, disse o argentino.

"É a primeira vez que perdemos dois jogos (seguidos) de forma inesperada. Contra o Palmeiras imaginávamos de outra maneira, mas tivemos que jogar 70 minutos com um a menos. Hoje também sofremos e, quando estávamos melhor para fazermos 2 a 1, não fizemos. Há que ter contundência para fazer e evitar gols. Perdemos um pouco dela, mas tenho confiança que vamos recuperá-la. São bons jogadores, que já demonstraram poder fazer o que eu peço”, finaliza.

Próximo jogo

O Galo volta a campo no próximo domingo (23), quando recebe o Fortaleza, na Arena MRV. O duelo contra o Leão do Pici está marcado para 18h30 (de Brasília) e marcará a apresentação oficial do meia-atacante Bernard, principal reforço da equipe para a sequência da temporada.


Participe dos canais do Itatiaia Esporte:

Henrique André é repórter multimídia e setorista do Atlético na Itatiaia. Acumula passagens por Uol Esporte, Jornal Hoje em Dia e outros veículos. Participou da cobertura de grandes eventos, como Copas do Mundo (2014-18) e Olimpíada (2016-2021).
Leia mais