Ouvindo...

Times

Preta Gil anuncia novo tratamento; entenda a diferença entre quimioterapia e radioterapia

Cantora Preta Gil foi diagnosticada com câncer de intestino e vai realizar novo tratamento com radioterapia

Preta Gil anunciou neste domingo (23) que vai iniciar um novo tratamento para o câncer no intestino, que descobriu em janeiro deste ano. Os médicos da cantora decidiram substituir a quimioterapia pela radioterapia.

“A gente entra agora em uma nova fase do meu tratamento. Os meus médicos resolveram que eu não vou mais fazer a quimioterapia, que eu vou partir direto para a radioterapia. Então eu começo daqui uma semana. Essa semana agora será uma semana de exames e preparatórios para a radioterapia”, revelou a artista.

“Estou muito confiante e cheia de fé. Estou com muita força para lutar, para vencer esta batalha”, completou Preta. A artista ainda pediu por orações e energias positivas por parte do público, agradecendo as mensagens que tem recebido por parte dos fãs, amigos e familiares. “Não tenho outra opção a não ser lutar e é isso que eu estou fazendo”, adicionou.

Preta Gil recebeu, em janeiro deste ano, o diagnóstico de câncer no intestino. Desde então, ela tem compartilhado informações sobre o tratamento em vídeos publicados nas redes sociais. Além do novo tratamento, a cantora também contou que teve uma grande recuperação na última semana, que passou em casa com familiares e amigos.

Quimioterapia e radioterapia

Segundo informações do Hospital Israelista Albert Einstein, a quimioterapia é definida como “o tratamento de doenças por meio de substâncias químicas que afetam o funcionamento celular”. O tratamento é um dos mais populares contra o câncer e também pode ser utilizado para doenças autoimunes como esclerose múltipla e artrite reumatoide, além de casos de supressão de rejeições a transplantes.

Também de acordo com o hospital, a radioterapia é baseada no uso de diferentes formas de radiação ionizante. O tratamento pode ser utilizado para tratamento de câncer e doenças benignas. Diferente da quimioterapia, ela tem ação restrita à região de aplicação, provocando maior dano nas células tumorais, com a doença, do que às células normais.

(Sob supervisão de Lara Alves)

Maria Clara Lacerda é jornalista formada pela PUC Minas e apaixonada por contar histórias. Na Rádio de Minas desde 2021, é repórter de entretenimento, com foco em cultura pop e gastronomia.


Leia mais