Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

CBF rebate insinuações de Neto sobre favorecer o Vitória: ‘Fase sombria ficou no passado’

Neto, ex-atleta e atualmente apresentador da TV Bandeirantes, sugeriu que o Vitória foi beneficiado com adiantamento de verbas pela CBF

À esquerda, Fábio Mota, presidente do Vitória; à direta, Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF

À esquerda, Fábio Mota, presidente do Vitória; à direta, Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF

Victor Ferreira/Vitória

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) repudiou, nesta segunda-feira (27), às insinuações de teria favorecido o Vitória durante a Série B do Campeonato Brasileiro. As acusações foram levadas a público pelo ex-atleta Craque Neto, atualmente apresentador do programa Os Donos da Bola, da TV Bandeirantes. Antes, o presidente do Leão, Fábio Mota, já havia também rebatido as acusações.

Em nota oficial, a CBF afirmou que respeita afirmou que respeota “rigorosamente seus compromissos e todas as normativas de legalidade e de probidade, bem como é fiel observadora de todas as boas práticas de governança corporativa, de compliance e de integridade”.

“A fase sombria da entidade, em que era comum a prática de atos ilegais por dirigentes que foram banidos do futebol, acusados de corrupção e outros crimes, ficou no passado, embora alguns ainda não se conformem com isso. A CBF segue firme no propósito de respeitar a legislação, ainda que isso incomode quem sempre a desrespeitou”, acrescentou a entidade máxima do futebol nacional.

De acordo com Neto, ex-jogador da Seleção Brasileira e do Corinthians, o Vitória teria sido favorecido ao receber um adiantamento da CBF no valor de R$ 4 milhões. As insinuações apontam para um suposto favorecimento de Ednaldo Rodrigues, presidente da entidade máxima do futebol nacional, à equipe rubro-negra. Ednaldo é baiano, torcedor declarado do Vitória, e foi presidente da Federação Baiana de Futebol entre 2001 e 2018.

“No estatuto da CBF não pode adiantar dinheiro para ninguém. Sabe para quem ele adiantou dinheiro? Para o Vitória, R$ 4 milhões. Por que não adiantou para o Londrina, para o meu Guarani? Para a Chapecoense, o Tombense... Por que o Vitória? Você deve ser alguma coisa aí, né? Não pode, não poderia pelo estatuto. Que lugar ficou o Vitória? Foi campeão. Foi por isso? Não sei. Mas que ajudou, ajudou”, disse Neto.

À Itatiaia, o presidente do Vitória, Fábio Mota, confirmou o recebimento da verba de forma adiantada, mas justificou que o adiantamento é um fato comum no futebol nacional.

A nota da CBF na Íntegra

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) hoje respeita rigorosamente seus compromissos e todas as normativas de legalidade e de probidade, bem como é fiel observadora de todas as boas práticas de governança corporativa, de compliance e de integridade.

Hoje, a CBF tem em seus contratos cláusulas anticorrupção e é reconhecida pela FIFA por suas boas práticas, como ocorreu essa semana, quando a entidade máxima do futebol mundial mais uma vez elogiou a chegada de Eduardo Gussem para ser o Oficial de Integridade da entidade, destacando essa como mais uma medida de transparência e responsabilidade de gestão da entidade brasileira. A mesma FIFA que, não faz muito tempo, baniu da CBF figuras nefastas do futebol brasileiro.

A fase sombria da entidade, em que era comum a prática de atos ilegais por dirigentes que foram banidos do futebol, acusados de corrupção e outros crimes, ficou no passado, embora alguns ainda não se conformem com isso. A CBF segue firme no propósito de respeitar a legislação, ainda que isso incomode quem sempre a desrespeitou.

A entidade respeita e irá respeitar a opinião pública, e não se curvará a certas opiniões publicadas, mormente aquelas que não têm preocupação com o bem-estar do futebol brasileiro.

Jornalista, natural do Recife, é atualmente correspondente do portal Itatiaia Esporte na região Nordeste. Com mais de uma década de experiência no jornalismo esportivo, tem passagens pela Folha de Pernambuco, Diario de Pernambuco, Superesportes e NE45. Em Portugal, trabalhou por O Jogo e Sport Magazine.
Leia mais