Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Cruzeiro comemora 20 anos da conquista da Tríplice Coroa

Campeão Mineiro, da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, Cruzeiro foi protagonista e pioneiro no futebol nacional

Um dos maiores feitos da história do Cruzeiro completa 20 anos nesta quinta-feira (30). No dia 30 de novembro de 2003, o time celeste, à época comandado por Vanderlei Luxemburgo, vencia o Campeonato Brasileiro e faturava a inédita Tríplice Coroa. A equipe já havia levantado na temporada os troféus do Campeonato Mineiro e da Copa do Brasil.

Na 44ª rodada do Brasileirão de 2003, o Cruzeiro bateu o Paysandu por 2 a 1, no Mineirão, e faturou o primeiro Campeonato Brasileiro da era dos pontos corridos. Os gols foram de Zinho e Motta, com Aldrovani descontando para o Papão.

O título nacional, que coloriu Minas Gerais com estrelas amarelas em alusão à conquista do Brasileiro, veio com duas rodadas de antecedência, e diante de mais de 73 mil cruzeirenses que lotaram o Gigante da Pampulha.

A campanha

O Cruzeiro somou cem pontos em 46 jogos na campanha do título brasileiro de 2003. Foram 31 vitórias, 7 empates e oito derrotas. O time celeste marcou 102 gols e sofreu 47, ficando com 55 de saldo.

Até hoje, nenhuma outra equipe somou cem pontos no Campeonato Brasileiro. Lembrando que o formato atual, adotado desde 2006, é disputado por 20 clubes e com 38 rodadas.

Em 2003, o Campeonato Brasileiro tinha 46 rodadas e 24 clubes envolvidos na disputa.

O aproveitamento do Cruzeiro naquele ano foi 72,46%. O índice foi tão importante, que a marca só foi quebrada 16 anos depois, com o Flamengo, campeão em 2019, e que fez 78,95% em sua campanha do título.

O meia cruzeirense Alex foi o artilheiro da competição com 23 gols marcados, seguido pelo também jogador do Cruzeiro, o atacante colombiano Aristizábal, com 21.

Time base

Gomes; Maurinho, Cris, Edu Dracena, Leandro; Maldonado, Augusto Recife, Wendell; Alex; Aristizábal, Márcio Nobre. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Craque fora do jogo do título

A vitória do Cruzeiro em cima do Paysandu aconteceu sem o grande craque da equipe celeste em campo. O meia Alex estava suspenso e ficou em uma da cabines do antigo Mineirão.

Artilheiro e grande destaque do Cruzeiro naquele ano, Alex mantém o status de maior goleador do Cruzeiro em uma única edição do Brasileiro (23 gols). O atacante Alex Alves, em 1999, fez 22 gols e é o segundo nessa lista.

Campanha do Cruzeiro no Brasileirão 2003

  • Pontos: 100

  • Aproveitamento: 72,46%

  • Vitórias: 31

  • Empates: 7

  • Derrotas: 8

  • Gols marcados: 102

  • Gols sofridos: 47

  • Saldo de gols: 55

  • Artilheiro: Alex, com 23 gols

  • Maior goleada: Cruzeiro 7x0 Bahia, com cinco gols do meia Alex

  • Jogo do título: Cruzeiro 2x1 Paysandu, na 44ª rodada, em 30 de novembro de 2003

Elenco

  • Goleiros: Artur e Gomes

  • Laterais: Maicon, Maurinho e Leandro

  • Zagueiros: Cris, Edu Dracena, Gladstone, Irineu, Luisão e Thiago Gosling

  • Volantes: Claudinei, Felipe Melo, Itaparica, Jardel, Maldonado, Martinez, Paulo Miranda e Recife

  • Meias: Alex, Jussiê, Marcinho, Wendel, Zinho e Sandro

  • Atacantes: Alex Alves, Alex Dias, Aristizábal, Deivid, Kanu, Marcelo Ramos, Márcio Nobre, Mota e Tiago Pereira

CRUZEIRO 2x1 PAYSANDU

CRUZEIRO

Gomes, Maurinho, Cris, Edu Dracena e Leandro; Augusto Recife (Felipe Melo), Maldonado, Wendell (Sandro) e Zinho; Aristizábal (Mota) e Márcio Nobre. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

PAYSANDU

Carlos Germano, Lecheva (Borges Neto), Jorginho, Lima e Souza; Vânderson, Sandro, Vélber (Júnior Amorim) e Magnum; Aldrovani e Jóbson (Alexandre Pinho). Técnico: Ivo Worthmann.

Motivo: 44ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Mineirão (Belo Horizonte-MG); Horário: 16h00;
Árbitro: Héber Roberto Lopes (PR);
Gols: Zinho 6' do 1º; Mota 28' e Aldrovani 45' do 2º;
Cartão Amarelo: Sandro (PAY).
Público pagante: 73.141
Renda: R$ 827.201,00

O ano de 2003 do Cruzeiro

Campeonato Mineiro

O técnico Vanderlei Luxemburgo realizou parte da pré-temporada do Cruzeiro na cidade de Araxá, na região do Alto Paranaíba, em Minas Gerais. Já no Campeonato Mineiro, o time foi campeão invicto, com dez vitórias e dois empates.

O título foi confirmado com a vitória por 4 a 0 em cima da URT, na 14ª rodada.

No Estadual, o Cruzeiro somou 32 pontos contra 25 do segundo colocado, o Atlético. O time celeste fez 35 gols e sofreu apenas sete, com saldo de 28. A maior goleada cruzeirense no torneio foi 6 a 0 sobre o Mamoré.

Copa do Brasil

O Cruzeiro também conquistou a Copa do Brasil de forma invicta. A equipe celeste venceu o Rio Branco-ES por 4 a 2 na primeira fase. O Corinthians-RN foi batido na segunda fase, com um empate em 2 a 2 no Rio Grande do Norte, e goleada por 7 a 0, no Mineirão.

Na terceira fase, o Cruzeiro eliminou o Vila Nova-GO com duas vitórias: 2 a 0 (em casa) e 2 a 1 (fora). Nas quartas de final a parada foi contra o Vasco. O time celeste venceu no Mineirão por 2 a 1 e empatou por 1 a 1, em São Januário.

Nas semifinais, a vítima foi o Goiás. Na partida de ida, 3 a 2, no Serra Dourada. Na volta, 2 a 1, no Mineirão.

A grande final foi contra o Flamengo. No jogo de ida, no Maracanã, o placar foi 1 a 1, com Alex marcando um golaço de letra. Fernando Baiano empatou para o Rubro-Negro carioca. Na volta, a consagração por 3 a 1, no Mineirão. Deivid, Aristizábal e Luisão fizeram os gols cruzeirenses. Fernando Baiano descontou.

Campeonato Brasileiro

O grande objetivo do Cruzeiro na temporada era o Campeonato Brasileiro. Os títulos que antecederam a conquista nacional não desmobilizaram a equipe. Pelo contrário, o time celeste voou no Brasileirão.

O Cruzeiro foi líder em 37 das 46 rodadas. Com 102 gols em 46 partidas, a média do cruzeirense foi de 2,2 gol por jogo. A equipe marcou cem pontos na competição, em 138 possíveis.

Depois da vitória por 2 a 1 em cima do Paysandu, jogo que confirmou o título do Cruzeiro, os jogadores fizeram uma enorme festa no gramado do Mineirão. A taça de campeão não foi entregue naquela ocasião, mas houve volta olímpica e muita comemoração com os mais de 75 mil presentes naquela tarde.

Guilherme Piu é jornalista esportivo com experiência multiplataforma: digital, revista, rádio e TV. Tem dois livros publicados e foi premiado em festivais de cinema no Brasil e no exterior, dentre eles o Cinefoot. Cobriu grandes eventos, como Copa do Mundo, Olimpíada, Copa América e torneios de futebol. Passou por Hoje em Dia, Uol e Revista Placar.
Leia mais