Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Ex-namorada denuncia presidente de torcida organizada do Atlético por agressão

Jovem relatou violência sofrida em junho deste ano; ele foi afastado pela torcida Fúria Alvinegra

A jovem usou suas redes sociais para denunciar o caso

A jovem usou suas redes sociais para denunciar o caso

Reprodução | Redes Sociais

A Fúria Alvinegra, torcida organizada do Atlético, anunciou o afastamento do presidente após tomar conhecimento de episódios de agressão cometidos contra a ex-namorada. O caso foi exposto nas redes sociais pela vítima, que denunciou Pedro Henrique Marques, conhecido como ‘Pedroga’, por lesão corporal.

Em nota enviada à reportagem da Itatiaia, a defesa de Pedro afirma que houveram incoerências narrativas e que o homem era constantemente chantageado pela jovem. “Caso ele não pagasse seu aluguel, faria várias postagens na internet com o intuito de “acabar com ele” – como o fez no último dia 27 de novembro”, relata a nota.

Ainda conforme comunicado, as agressões citadas não teriam acontecido, e sim um ataque de ciúmes da vítima, que ‘ao se deparar com indícios de que Pedro está em novo relacionamento, saiu quebrando todos seus bens dentro de sua casa – dentre eles, uma televisão que sabia que Pedro adorava.’

Relacionamento tóxico

A vítima, de 21 anos, contou à Itatiaia que teve um relacionamento de dois anos com o suspeito, com quem também tem uma filha de 6 meses. Ela relata que, por ciúmes, chegou a ser expulsa de casa por ele quando estava no nono mês de gravidez.

“Minha mãe me buscou na casa dele e falou que eu não precisava passar por aquilo, mas não pedi medida (protetiva), só juntei minhas coisas e fui embora. Uma semana depois ele voltou, e infelizmente eu era dependente emocionalmente dele. Minha gravidez foi um pesadelo”, lembra.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado no dia da agressão, Hillary relata que ele já demonstrava agressividade e falta de controle, além de violência psicológica. A vítima relata que ele não aceitava o fim do relacionamento e dizia que se ela arrumasse outra pessoa, ele ‘mataria e daria pauladas’.

Agressão e medida protetiva

No dia 27 de junho deste ano, o casal discutiu depois de tirar as fotos de ‘mesversário’ da filha. A garota encontrou uma unha de mulher e questionou Pedro de quem seria. Ele teria se revoltado.

“Quando eu achei a unha, eu questionei. E falei para ele me levar embora, pois não estava encontrando carros de aplicativo. Ele disse que não me levaria. Quando assustei, ele já estava me puxando pelo braço, me apertou muito, me sacudiu e me sufocou na cama, me deixando sem ar”, conta.

Ela começou a arranhá-lo para se defender e jogou uma televisão do quarto no chão. Pedro então a teria enforcado e a levado para o banheiro, onde a garota desmaiou. Quando retomou os sentidos, ligou para a polícia.

“Lembro das coisas picadas porque eu desmaiei, mas peguei meu celular para ligar para a polícia e eles rastrearam meu número e foram atrás de mim. Nessa ele escondeu meu celular, pegou uma faca e falou que ia se matar, fazendo a pressão psicológica dele, como sempre, e ele fugiu com um carro. Eu fiquei sem assistência da bebê, como sempre fico, e ele só paga a pensão se for na base da ameaça”, completa.

Após o episódio, a jovem solicitou medida protetiva contra o homem. A justiça definiu a proibição de aproximação de 200 metros, de contatar a vítima por qualquer meio de comunicação e de frequentar casa e local de trabalho da jovem.

Reincidência

Uma ex-companheira do homem, de 24 anos, também contou à Itatiaia que foi alvo de violência física e psicológica por parte de Pedro. Ela o conheceu quando fazia parte de outra torcida organizada do Atlético, e começaram a namorar em 2017. Por conta das agressões, a garota terminou e Pedro se afastou da torcida.

‘Ele foi me afastando dos meus amigos, sempre com muito ciúme, falando que ninguém iria cuidar de mim como ele, e eu não consegui ver os abusos psicológicos. Até que viraram abusos físicos. Ele me batia, me trancava em casa, ameaçava me jogar da moto em barranco, tirava meu celular, quebrava as coisas na minha casa, me largava sozinha na rua de noite sem ter como voltar pra casa”, lembra a jovem.

Em 2019, ela pediu ajuda aos amigos após o suspeito ameaçar matá-la. A jovem pediu medida protetiva por violência doméstica e foi morar em outro estado.

“Ele descumpriu a protetiva várias vezes, meus amigos sempre tendo que intervir e eu denunciando no Fórum, mas sobrevivi”, completa. ‘Depois de surtar em uma festa e me bater na frente de todo mundo, fui terminar com ele no dia seguinte. Ele se pendurou na janela do meu apartamento dizendo que ia se matar, eu e minha irmã tivemos que segurar as pernas dele até os Bombeiros chegarem”, relata.

Antecedentes criminais

O suspeito possui passagens pela polícia por lesão corporal. Em uma ocasião, registrada em 2022, ele teria se envolvido em uma briga generalizada após sua namorada à época relatar que estava sendo importunada por um grupo de homens durante uma festa de samba na capital.

No mesmo ano, em um segundo registro, o jovem teria se envolvido em uma briga em um bar. Segundo o boletim de ocorrência, ele presenciou uma discussão de uma amiga com outras mulheres e um segundo rapaz teria puxado o cabelo desta mulher. Ele então partiu para cima do homem e iniciou uma briga. Em seguida, se envolveu em confusão com funcionários do bar após alegar que não pagaria a conta.

Posicionamento da defesa

“Alega a suposta vítima, senhora Hillary, que sofreu agressões do senhor Pedro Henrique Marques Silva 27/07/2023, pai de sua filha. Ocorre que em instrução processual será comprovada tanto as incoerências das narrativas da suposta vítima, bem como seu intuito constante em “chantagear” Pedro constantemente de que, caso ele não pagasse seu aluguel, faria várias postagens na internet com o intuito de “acabar com ele” – como o fez no último dia 27 de novembro – além de ameaçar que entraria em suas “lives” e ainda mandaria várias amigas comentarem. Apenas a título ilustrativo e para demonstrar como são duvidosas as acusações da suposta vítima, a mesma narra ter sido “enforcada” no dia 27 de julho e em agosto manda diversas mensagens para Pedro – dentre elas, uma mensagem dizendo: “Eu tô preocupada com você. Fica com a gente. Helena é sua filha.”

Todas as acusações absurdas bem como todo prejuízo causado a Pedro devido à enorme repercussão das postagens falaciosas serão devidamente discutidas e esclarecidas judicialmente. Ainda, para corroborar com as verdades que TODOS merecem saber, as supostas agressões, NUNCA ocorreram – mas sim apenas um ataque de ciúmes da suposta vítima (que apesar de ser mãe da filha de Pedro, INEXISTE qualquer tipo de relação entre ambos) – que ao se deparar com indícios de que Pedro está em novo relacionamento, saiu quebrando todos seus bens dentro de sua casa – dentre eles, uma televisão que sabia que Pedro adorava.

Alega ainda a suposta vítima Hillary que o suposto agressor Pedro a ameaçava “se ela se relacionasse com alguém a mataria a pauladas”, no entanto, a verdade é exatamente a inversa – sendo que Hillary SEMPRE liga para as pessoas com que Pedro se relaciona (inclusive com a atual namorada), sempre ameaçando e brigando com as pessoas que Pedro se relacionou posteriormente à ela – o que será completamente evidenciado nos autos.”

Confira o posicionamento da Fúria Alvinegra:

“Mediante ao conhecimento dos fatos, houve uma reunião extraordinária da diretoria e viemos por meio desse comunicar o afastamento do então presidente Pedro de seu referente cargo, até que os fatos sejam esclarecidos e tratados pela esfera legal responsável.

Tais condutas não representam de forma alguma a ideologia da nossa entidade, que sempre esteve lado a lado com as mulheres, buscando uma arquibancada mais igual e justa. Nos solidarizamos com a situação, com a vitima e sua família.

Atitude Compromisso Respeito”

Posicionamento da Polícia Civil

“Sobre os fatos ocorridos em julho deste ano, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que instaurou procedimento para apuração dos fatos de prática de lesão corporal no âmbito da violência doméstica. Foi requerida a medida protetiva em favor da vítima, de 21 anos, contra o suspeito, de 24 anos. A investigação encontra-se em andamento na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Belo Horizonte.”

Errata: no momento de publicação desta matéria, o texto citava passagens policiais de Pedro por tráfico de drogas. Assim que constatado o equívoco da informação, ela foi removida posteriormente do conteúdo.

Leonardo Parrela é repórter multimídia na área de esportes na Itatiaia. É formado em Jornalismo pela PUC Minas. Antes da Itatiaia, colaborou com Globo Esporte, UOL Esporte e Hoje Em Dia, onde cobriu Copa do Mundo, Olimpíada e grandes eventos.
Formado em Jornalismo pelo UniBH, em 2022, foi repórter de cidades na Itatiaia e atualmente é editor dos canais de YouTube da empresa.
Leia mais