Ouvindo...

Times

“Bean bag“: nova munição da PM pode ter matado torcedor do São Paulo

Rafael Garcia comemorava o título da Copa do Brasil, no domingo (24), nos arredores do Morumbi; munição é considerada menos letal

Rafael Garcia, o torcedor do São Paulo de 32 anos que morreu no domingo (24) no entorno do estádio do Morumbi, foi atingido por uma bala “bean bag”, disse a delegada Ivalda Aleixo, diretora do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de São Paulo.

Segundo Ivalda, o laudo obtido é “preliminar”, mas essa é a causa provável do traumatismo sofrido por Rafael. Aparentemente, ele “foi alvo de um tiro reto, que não teve desvio em nada, e muito próximo”, afirmou. Em perícia no local, foram encontradas “três ou quatro outras munições do tipo que atingiu a vítima”, complementou a delegada.

As bean bags são armas de menor potencial ofensivo, que foram adotadas pela PM para substituir gradativamente as balas de borracha. A arma é usada para dispersão de tumultos e tem um risco menor de ferimentos graves ou letais. São Paulo é o primeiro estado brasileiro a usar o armamento, que é de uso exclusivo da polícia.

Nesta quinta-feira, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo confirmou que esse tipo de armamento foi usado durante o tumulto com os torcedores são paulinos, no último domingo, para conter a confusão.

Entretanto, de acordo com o DHPP ainda não é possível afirmar se o disparo partiu de um policial. A investigação aguarda o resultado dos laudos, está ouvindo testemunhas e analisa imagens que mostram o momento do tumulto, para tentar identificar o autor do disparo.

“Nós trabalhamos com todas as possibilidades, não descartamos nada, o laudo definitivo deve chegar. Amanhã nós pretendemos ouvir a mãe dele, porque como ele era deficiente auditivo nós gostaríamos de saber se ele ia sempre ao jogo sozinho, quem ia com ele, qual era o grau de deficiência auditiva, por essa linha que nós vamos”, afirmou a delegada.

Como foi a morte

Rafael dos Santos Tercilio Garcia estava nos arredores do estádio em que o tricolor havia jogado contra o Flamengo. Ele tinha deficiência auditiva, era membro da ala de pessoas portadoras de deficiência da torcida organizada “Independente” e, junto de outros são-paulinos, comemorava o título da Copa do Brasil.

Conforme a SSP, policiais militares atuavam no controle da multidão, até que ele foi encontrado caído, com um ferimento na cabeça.

Ainda segundo a SSP, a contenção no local envolveu o uso de munições de menor potencial ofensivo, como as “bean bags”, além de elastômeros e jatos de água. A PM instaurou um inquérito para apurar eventuais excessos dos agentes.

O protocolo da corporação estabelece que um disparo com a bala tem de ser feito a uma distância mínima de 6 metros, para evitar grandes danos.

Além do artefato de bean bag, que atingiu a cabeça do torcedor, a perícia ainda achou mais três munições do mesmo tipo do lado de fora do estádio do Morumbi.

Acompanhe as últimas notícias produzidas pela CNN Brasil, publicadas na Itatiaia.
Leia mais