Ouvindo...

Times

Linfoma não-Hodgkin: conheça câncer de Jorge Aragão e saiba sintomas e se há cura

O sambista Jorge Aragão comunicou que foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkin, câncer que afeta o sistema linfático

Foi divulgado neste sábado (15) que o cantor e sambista Jorge Aragão, de 74 anos, foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkin, câncer que afeta as células do sistema linfático. Segundo o Ministério da Saúde, o número de casos da doença duplicou nos últimos 25 anos, principalmente entre pessoas com mais de 60 anos.

O linfoma não-Hodgkin é um câncer que se espalha de maneira não ordenada no sistema linfático, que faz parte do sistema imunológico e ajuda o corpo a combater doenças. Como o tecido linfático está presente em todo o corpo, o linfoma pode começar em qualquer lugar, o que dificulta bastante o diagnóstico.

Outros famosos como Edson Celulari, Reynaldo Gianecchini, Gória Perez, Jane Fonda, Caio Ribeiro e a ex-presidente Dilma Rousseff já tiveram a doença diagnosticada.

Quais os sintomas do linfoma não-Hodgkin

O linfoma não-Hodgkin, que tem mais de 20 tipos diferentes catalogados, pode atingir crianças, adolescentes e adultos, mas é mais frequente em idosos.

O principal sintoma é o aumento dos gânglios linfáticos, que causa o surgimento de caroços no pescoço, virilha e axila. O paciente também costuma apresentar febre, suor noturno, tosse, coceira na pele e perda expressiva de peso.

Linfoma não-Hodgkin tem cura?

Os principais tratamentos para o linfoma não-Hodgkin são a quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e transplante de medula óssea. As chances de cura são de cerca de 70%, segundo a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale).

Qual a diferença do linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin?

Os linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin tem sintomas parecidos, mas a principal diferença está no tipo de células encontradas no tumor. Por isso, só é possível fazer a diferenciação após uma biópsia.

Além disso, o linfoma de Hodgkin possui um índice de cura maior a partir da quimioterapia. Normalmente, o paciente possui chances maiores de apresentar bons resultados com o primeiro tratamento do linfoma de Hodgkin.

Leia mais