Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Homem com execução marcada para esta quinta (25) após falha na injeção letal aguarda última chance judicial; entenda

Kenneth Smith pode ser executado por gás nitrogênio - essa é a primeira vez que esse método será usado nos EUA

injeçãoletal.png

Homem com execução marcada para esta quinta (25) após falha na injeção letal aguarda última chance judicial; entenda

Reprodução / Alabama Department of Corrections / Freepik

A execução de Kenneth Eugene Smith, de 58 anos, o americano condenado à morte por asfixia com nitrogênio, pode acontecer nesta quinta-feira (25), no Alabama, no sudeste dos Estados Unidos. Smith aguarda apenas uma resposta da Justiça para uma última tentativa de evitar sua execução. Em 2022, ele seria executado com injeção letal, mas sobreviveu.

O técnica inédita de asfixia por nitrogênio, que pode ser usado pelo estado do Alabama, consiste em administrar esse gás através de uma máscara. O método é controverso.

Nos últimos dias, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos afirmou que o método pode ser o equivalente à tortura ou a outro tratamento cruel, desumano ou degradante, e pediu que o plano fosse abandonado.

Nessa quarta-feira (24), em uma das últimas tentativas de reverter a pena, a Suprema Corte negou o adiamento e autorizou o estado do Alabama a prosseguir com a execução. Os juízes da Suprema Corte não aceitaram debater os argumentos jurídicos –a defesa afirma que ele já passou por uma tentativa de execução, que isso causou um trauma e por isso ele não poderia ser submetido a uma segunda.

Na última terça (23), a defesa de Smith apresentou à Corte que o homem está vomitado muito e passando mal e que isso pode aumentar o risco de complicações. Mas, o juiz encarregado do caso afirmou que isso não muda nada e que não é motivo para interromper a execução.

Sem uma decisão, o Alabama irá prosseguir com a pena de morte para Smith. O estado do Alabama defendeu ante um tribunal sua decisão com o argumento de que este é, “talvez, o método de execução mais humano que já foi inventado”.

Segundo uma pesquisa recente da Gallup - empresa de pesquisa de opinião dos Estados Unidos -, 53% dos americanos apoiam a pena de morte para alguém condenado por homicídio, o nível mais baixo desde 1972.

A pena capital foi abolida em 23 estados americanos, enquanto os governadores de outros seis - Arizona, Califórnia, Ohio, Oregon, Pensilvânia e Tennessee - mantêm seu uso suspenso.

Entenda o caso de Kenneth Eugene Smith

Kenneth Eugene Smith, de 58 anos matou uma mulher em março de 1998, a pedido do marido dela, que estava endividado e queria receber o dinheiro do seguro de vida da mulher. Os promotores afirmaram que ele e o outro homem receberam US$ 1.000 para matar Elizabeth Sennett.

O crime na época, aconteceu em uma pequena cidade no Alabama e John Forrest Parker, o outro homem que participou do crime, junto com Smith, foi condenado pelo assassinato e executado em 2010.

Elizabeth tinha 45 anos. Ela foi encontrada morta em 18 de março de 1988 em sua casa com oito perfurações no peito e uma de cada lado do pescoço, de acordo com o legista. Seu marido, Charles Sennett Sr., se suicidou quando a investigação o identificou como suspeito.

O que é hipóxia por nitrogênio?

A execução por hipóxia por nitrogênio causaria a morte ao forçar o detento a respirar nitrogênio puro, privando-o do oxigênio necessário para manter as funções corporais.

*com informações de AFP*

Leia Também

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), já trabalhou na Record TV e Rede Minas. Atualmente é repórter multimídia da Itatiaia. Comunicativa e ligada as redes sociais, entretenimento e cidades.
Leia mais