Ouvindo...

Times

Esposa de Everson faz ‘carta aberta’ em apoio ao marido, desfalque no Atlético

Rafaela e Everson estão juntos desde julho de 2006 e têm três filhos; o goleiro não enfrentará o Internacional

Contratado pelo Atlético no segundo semestre de 2020, o goleiro Everson vive momento conturbado no clube no qual alcançou as maiores glórias da carreira. Multicampeão e titular absoluto desde que desembarcou em Minas Gerais, o camisa 22 também chegou à Seleção Brasileira, devido ao trabalho realizado no Alvinegro. Contudo, nos últimos meses, ele vem sofrendo com críticas e tendo que lidar também com ofensas que extrapolam o “aceitável”.

Nesta terça-feira (25), a esposa do jogador de 33 anos usou o perfil nas redes sociais para postar “carta aberta” ao marido. Cabe lembrar que, por inchaço no dedo mínimo, Everson foi cortado do duelo com o Internacional, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. O confronto, marcado para 21h30 (de Brasília) desta quarta (26), será disputado no estádio Heriberto Hülse, em Criciúma.

Leia também

“Essa carta não é sobre o futebol.

Também não é mais uma carta de amor. É uma carta sobre a humanidade. É sobre aquela frase: “matar um leão por dia” nós começamos matando vários. E eles não paravam de surgir. De repente começamos a tentar ficar em paz com eles e conviver. Não dava para ter forças e armas o tempo todo. Então começaram a surgir outros animais... dos mais falantes e inconvenientes que se possa imaginar... Eles tentam a todo tempo tirar sua paz. Não são como os leões que te desafiam, te tiram do lugar, são como hienas, que incomodam, fedem, e te tiram o seu melhor: a paz e a leveza. Estão aí há algum tempo, e quanto mais são ignorados, mais gritam. Chega uma hora que não é mais possível fingir, se calar, ignorar: é preciso demonstrar que não está certo. É preciso exigir respeito. Muitos chamarão de fraqueza, ou usarão aquele termo atual: “mimimi”. Eu chamo de humanidade. Por mais que uma profissão exija determinada postura, certa atitude, nada pode ser maior que a sua essência, que a sua humanidade. Eu vi quantas coisas foram necessárias para chegar até aqui. Eu estava ali. Naquele nada. Naquele tudo. Eu vi.

Mas nem todo mundo viu. Quem não viu nunca verá, não adianta mostrar. Cada um vê o que tem em si. Mas eu, bem, eu admiro essa humanidade e sempre vou me orgulhar de saber a verdade. Estarei aqui, de mãos dadas. Lutando contra todos os animais que surgirem.

Com muito mais amor, Rafa”.

Everson e Rafaela se conheceram em julho de 2006. Juntos, viveram todos os momentos da carreira do goleiro, que disputou todas as Séries do Brasileirão (D, C, B, A), até se firmar como dono da posição no Galo e substituto de Victor, hoje diretor-executivo do clube. Do casamento, vieram os filhos Marcus Paulo, Melissa e Rafael.

Lesão de Everson

Segundo o clube, o problema com Everson é “uma piora do quadro de inflamação no dedo mínimo da mão direita”. O arqueiro revelou o problema em entrevista na zona mista nesse domingo (23). Com isso, ele não enfrentará o Colorado no Heriberto Hülse.

“Estou jogando no sacrifício. Estou com os dedos luxados, meus dedos não estavam fechando até ontem. Fiz todo o esforço e sacrifício possível. Não quero que o torcedor me isente por eu estar jogando no sacrifício. Não quero isenção de culpa. Assumo toda a minha responsabilidade”, disse após o empate com o Fortaleza.

Sem ele, o técnico Gabriel Milito acionará novamente o “cria” Matheus Mendes.

Forte desabafo

Na zona mista, após o confronto com o Leão do Pici, Everson desabafou e foi às lágrimas. A perseguição de alguns torcedores foi motivo para um declaração forte:

“Desculpa, mas sempre tem (perseguição). Ninguém sabe o sacrifício que fiz para jogar hoje, foi difícil pra caralho. Estou cheio de dor. Mas, enquanto a dor for suportável e eu aguentar a dor, eu vou jogar. Por mais que eu não agrade uma parte da torcida. Ano passado eu passei por isso e terminei 2023 como um dos melhores goleiros da competição, ajudando a equipe no segundo turno, fazendo grandes defesas”, relatou.

“Peço desculpas pelo desabafo. Quem gosta do meu trabalho não gostaria de me ver nessa situação, chorando. Bola para frente, quarta-feira tem mais um jogo. Tem que trabalhar para dar a volta por cima, mesmo com todas as dificuldades e adversidades. Um cara para chegar no alto nível, nunca chega aqui à toa, por indicação. É por trabalho. No alto nível você vai sofrer um pouco, mas, lá na frente vai ser valioso essa certa perseguição, esse sofrimento, mas vamos passar por cima disso mais uma vez”, completou.


Participe dos canais do Itatiaia Esporte:

Henrique André é repórter multimídia e setorista do Atlético na Itatiaia. Acumula passagens por Uol Esporte, Jornal Hoje em Dia e outros veículos. Participou da cobertura de grandes eventos, como Copas do Mundo (2014-18) e Olimpíada (2016-2021).
Leia mais