Ouvindo...

Times

Sem brasileiros, Fifa define árbitros para o Mundial que pode ter o Fluminense

Torneio será na Arábia Saudita, em dezembro; representante da América do Sul será o venezuelano Jesús Valenzuela

A Fifa divulgou nesta sexta-feira (3) a lista dos profissionais da arbitragem que estarão no Mundial de Clubes que será disputado entre 12 e 22 de dezembro, na Arábia Saudita. Não há brasileiros.

O árbitro que representará a América do Sul será o venezuelano Jesús Valenzuela. Ele estará juntos dos auxiliares Jorge Urrego e Tulio Moreno, também da Venezuela, e os árbitros de vídeo Juan Soto (VEN) e Juan Lara (CHI).

Valenzuela é considerado pela comissão de arbitragem da Conmebol um dos melhores árbitros do quadro atualmente. Ele foi escalado para apitar a final da Copa Sul-Americana de 2023, entre Fortaleza e LDU de Quito, no dia 28 de outubro, no Uruguai. Os equatorianos venceram nos pênaltis.

O venezuelano também esteve cotado para arbitrar a final da Libertadores, neste sábado (4), no Maracanã, entre Fluminense e Boca Jrs (ARG), mas o escolhido foi o experiente colombiano Wilmar Roldán, com três decisões da competição no currículo.

A árbitra dos Estados Unidos Tori Penso também foi convocada para o Mundial de Clubes. Ela apitou a final da Copa do Mundo Feminina, em agosto, entre Espanha e Inglaterra, na Austrália. Ela terá ao seu lado três mulheres na equipe, as auxiliares de campo Brooke Mayo (EUA) e Kathryn Nesbitt (EUA) e a de vídeo Tatiana Guzman (Nicarágua).

Serão cinco árbitros, dez assistentes de campo e oito de vídeo na competição.

O Mundial

Este será o último Mundial no formato atual, com sete participantes, disputado desde 2005. A partir de 2025, a Fifa vai organizar um evento turbinado, com 32 participantes, sendo 12 da Europa e seis da América do Sul.

Quem vencer a final da Libertadores deste sábado jogará a competição em dezembro. Os seis times já classificados são:

  • Manchester City (Inglaterra) - Europa

  • León (México) - Américas do Norte e Central

  • Al-Ahly (Egito) - África

  • Urawa Red Diamonds (Japão) - Ásia

  • Auckland City (Nova Zelândia) - Oceania

  • Al-Ittihad (Arábia Saudita) - país-sede

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais