Ouça a rádio

Compartilhe

Procuradoria do STJD denuncia Cruzeiro e Grêmio por cânticos homofóbicos 

Dentro de campo, a Raposa bateu o Tricolor por 1 a 0 jogando no Independência 

O jogo entre Cruzeiro e Grêmio pela Série B acabou dentro do gramado há algumas semanas, mas ainda continuará nos tribunais. Ambos os clubes foram denunciados pela Procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). 

Ambos os clubes responderão por cânticos homofóbicos de torcedores no jogo da sexta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, no dia 8 de maio, no Independência. A audiência será no dia 30 de maio, às 13h, na Primeira Comissão Disciplinar do STJD. 

Cada clube foi responsável por denunciar o adversário em relação aos cânticos homofóbicos. O Cruzeiro, pela música cantada pelos gremistas: “Maria Joga vôlei”. 

Já o Grêmio pelo teor de uma provocação da torcida cruzeirense: “arerê, gaúcho dá o c* e fala tchê”. 

O clube mineiro ainda responderá por objetos arremessados em campo., como destacado em súmula. 

“Cumpro informar que aos 27 minutos do primeiro tempo, após a marcação do gol da equipe do Cruzeiro SAF, foi arremessado dois copos de cervejas dentro do campo de jogo, um no meio de campo próximo onde se encontrava o banco de reservas da equipe do Grêmio RS e outro atrás do gol da equipe visitante próximo aos fotógrafos. Informo ainda que ambos vieram de onde se encontrava a torcida do Cruzeiro SAF", escreveu o árbitro Flávio Rodrigues de Souza no documento oficial da partida.

Os cânticos homofóbicos farão ambos os clubes serem julgados no artigo 243-G. No caso do Cruzeiro, a pena pode gerar até a perda de pontos da partida, conforme previsto no CBJD. O clube celeste venceu o Tricolor Gaúcho por 1 a 0. 

Confira o que diz o artigo 243: 

243-G. Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: 

PENA: suspensão de cinco a dez partidas, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de cento e vinte a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código, além de multa, de R$ 100 a R$ 100 mil.

Parágrafo 1º Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e, na reincidência, com a perda do dobro do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente; caso não haja atribuição de pontos pelo regulamento da competição, a entidade de prática desportiva será excluída da competição, torneio ou equivalente.

Parágrafo 2º A pena de multa prevista neste artigo poderá ser aplicada à entidade de prática desportiva cuja torcida praticar os atos discriminatórios nele tipificados, e os torcedores identificados ficarão proibidos de ingressar na respectiva praça esportiva pelo prazo mínimo de setecentos e vinte dias.

Pelo arremesso de objetos em campo, o Cruzeiro pode levar multa de R$ 100 a R$ 100 mil, conforme o artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). 

“Deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir: 
III - lançamento de objetos no campo ou local da disputa do evento desportivo.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido