Ouvindo...

Times

Ipês são inúteis

A beleza da vida reside em “tornar-se o que é”, pois aquilo que realmente somos é uma verdade, bondade e beleza, sem contexto, sem pretextos

Uma das coisas mais belas da Bíblia é a sua sinceridade sobre as contradições humanas. Sim, a Bíblia é uma Revelação Divina. Nela, Deus comunica Quem Ele é e tudo aquilo que é útil para a Salvação dos homens. Todavia, Ele O faz em “linguagem humana”, envolvido em histórias humanas. Assim, se por um lado as Escrituras contêm uma Mensagem de Salvação, que é permanente, por outro, nelas, vemos o homem em “vias de amadurecimento”. Na Bíblia, há, portanto, espaço para elementos imperfeitos e transitórios. Nela, a vida humana é apresentada em suas tensões e em sua ambiguidade...

Uma das grandes tensões e ambiguidades da nossa existência é a angústia. Tanto que Lacan diz que ela é o único sentimento, em nós, que não mente. A felicidade? mente...A paixão? meeente... Agora a Angústia: ela, de modo invertido, sempre traz verdades que precisam ser digeridas.

Diria que, nas Escrituras, a maior concretização da Angústia, esse afeto tão humano, está no Eclesiastes. O livro é atribuído a Salomão, o rei mais esplendoroso de Israel e que, apesar de ter tido “tudo”, sabedoria, riqueza, amores, se vê diante da “angústia do existir”. Salomão suspira que a vida é uma causa perdida. “Vaidade das Vaidades, tudo é vaidade” Ecl 1,1.

O que está no hebraico é “hébel”. Significa sopro, vazio, oco, nada. Assim, Salomão está diante de um sentimento que, cedo ou tarde, vem a todos nós: de que tudo pelo que lutamos não faz sentido. Uma perda, uma decepção, uma traição pode catalisar esse afeto na gente.

Podemos dizer: “Tudo que eu quero, não o quero quando alcanço, nunca quis o que realmente quisesse”. O desejo humano é insustentável. Realizando-se, ou não, atravessa nossas expectativas. Aquilo, ou quem nós amamos, "é", “não sendo”. No instante que pensamos nos pertencer, "é um sopro”...

Que diremos? Faremos do drama o desespero? Pois para o Eclesiastes, parece que não..."Se na vida não há nada de novo debaixo do Sol” Ecl 1,9, se ela é, como dizia Nietzsche, “um eterno retorno do mesmo”, é preciso apreciar o instante. Goza da vida em companhia de quem amas, no tempo fugaz de teus trabalhos debaixo do sol, lembra o Eclesiastes (9,9). Como diziam os medievais: Carpe Diem (colhe, aproveita o dia).

Sabe...nessa consciência do agora, do instante, de que a vida só dá uma safra, ficava observando o quanto os ipês, que nesses dias começaram a florir, são inúteis. Sua floração é um espetáculo soberbo. Uma árvore insubordinada, que se enche de flores uma vez no ano, e nem se quer dura uma semana. Floresce sozinha, nem sequer é primavera. Coisa mais fora de contexto!

Ipês são inúteis, só falam a quem está aéreo, só são vistos por almas românticas. Ipês são inúteis para quem está atrasado para o trabalho. Sua beleza do instante, fugaz, só encanta apaixonados e distraídos...

Ipês são o paradoxo da felicidade...Não se é feliz quando se vive sem a colheita do instante, em adultério do amor próprio. Ao fim e ao cabo, o que a vida quer de nós é ousadia. A aprovação do outros é sempre um acordo cínico. No mundo real, ninguém dá conta de ser bom e útil o tempo todo. Por isso precisamos nos cercar de pessoas que nos apreciem como a ipês, que nos percebem, simplesmente; pessoas que suportem e apreciem as nossas “inutilidades”.

A beleza da vida reside em “tornar-se o que é”, pois aquilo que realmente somos é uma verdade, bondade e beleza, sem contexto, sem pretextos...

“Corra o risco de ser considerado louco: vá visitar os ipês. E diga-lhes que eles tornam o seu mundo mais belo. Eles nem o ouvirão e não responderão. Estão muito ocupados com o tempo de amar, que é tão curto. Quem sabe acontecerá com você o que aconteceu com Moisés, e sentirá que ali resplandece a glória divina”. Rubem Alves.

Pró-reitor de comunicação do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade. Ordenado sacerdote em 14 de agosto de 2021, exerceu ministério no Santuário Arquidiocesano São Judas Tadeu, em Belo Horizonte.
Leia mais