Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

‘O sequestro do voo 375' em BH inspirou Bin Laden; veja cinco curiosidades do filme

Filme estreou na última semana nos cinemas e reconta o dia em que um sequestrador tentou matar o presidente José Sarney, em Brasília (DF), em 1988

sequestro-voo-345.png

Avião foi colocado literalmente em 180º

Reprodução | Redes sociais

Alerta de spoiler! “O sequestro do voo 375” estreou nos últimos dias nos cinemas do país e relembra a tentativa de assassinato contra o presidente José Sarney em 1988. No dia 29 de setembro daquele ano, Raimundo Nonato Alves da Conceição, de 28 anos, embarcou na aeronave da extinta Vasp no Aeroporto de Confins, na região Metropolitana de Belo Horizonte, com destino ao Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, para uma viagem sem volta.

Isso porque ele queria derrubar a aeronave no Palácio do Planalto, em Brasília, e matar o então presidente. O plano deu errado graças ao piloto Fernando Murilo de Lima, que salvou a vida de mais de 130 pessoas a bordo. No entanto, o copiloto Salvador Evangelista, o Vângelis, morreu com um tiro na cabeça antes que pudesse fazer algo. O piloto recebeu uma medalha da FAB, mas foi ignorado pelo presidente.

Maranhense, o tratorista Nonato estava desempregado e morava em uma pensão no Centro de Belo Horizonte. Revoltado com os rumos do país, ele decidiu atentar contra a vida do presidente, mas morreu de forma duvidosa após ser baleado e levado para um hospital.

O filme é dirigido por Marcus Baldini e tem roteiro de Lusa Silvestre e Mikael de Albuquerque. Alguns personagens foram incluídos no longa, como, por exemplo, Terezinha, a suposta filha de Nonato, e Claudia, a comissária que no filme se passa por irmã do copiloto assassinado.

Vale lembrar que o longa ganhou o prêmio de “Melhor roteiro” no Los Angeles Brazilian Film Festival.

Confira cinco curiosidades do longa

Avião girou 180º de verdade

Uma das manobras relatadas por testemunhas e pelo próprio piloto é conhecida como “tonneau” - de forma prática, o avião ficou de cabeça para baixo. O feito não é reconhecido pela aviação, que aponta a manobra como “impossível” de ser realizada por uma aeronave daquele porte.

O Boeing é um original da década de 80 e pertence a um colecionador de Goiás, que mantinha a aeronave em sua fazenda. Para esta cena, uma parte do avião foi acoplada a um maquinário que girava 180º - os atores precisaram tomar remédio para enjoo para aguentar ficar de ponta-cabeça e gravar as cenas.

Osama bin Laden e o atentado brasileiro

A notícia do sequestro chegou até o terrorista Osama bin Laden, fundador da Al-Qaeda (1957-2011), responsável por liderar os ataques do dia 11 de setembro de 2011 nos Estados Unidos (EUA) - uma distância de mais de 20 anos da tragédia no Brasil.

Notícias do atentado ocorrido no Brasil teriam sido encontradas em um dos esconderijos de Osama - demonstrando que ele teria estudado o caso brasileiro antes de atentar contra os EUA. Pelo menos isso é o que o filme retrata no final, apesar de não existir provas documentais.

Como Nonato entrou armado no avião?

Munido de um revólver calibre 32, Nonato embarcou tranquilamente no Aeroporto de Confins - que hoje possui detectores de metais. Naquela época, este tipo de norma não fazia parte dos procedimentos obrigatórios em voos no país. Ou seja, ele entrou tranquilamente com a arma na mochila dentro da aeronave.

Filha de copiloto é especialista em aerofobia

Wendy Evangelista tinha 4 anos quando o pai, o copiloto Salvador Evangelista, foi morto. Hoje, ela é psicóloga e especialista em aerofobia - ou seja, medo de voar.

“Antes de estar aqui para te ajudar com essa fobia, que faz com que você sofra e até desista de alguns sonhos, eu estive aí desse lado, com medo, criando sempre novas ‘desculpas’, evitando e me desfazendo de alguns planos. Nessa trajetória entendi que o tratamento era difícil e ainda assim deixava algumas lacunas, como psicóloga resolvi me aprofundar nos estudos e aprimorar técnicas para tornar esse processo mais efetivo. A aerofobia não precisa ser limitante, e posso te ajudar nessa jornada”, contou em uma publicação nas redes sociais.

Nonato morreu de forma duvidosa em hospital

Raimundo Nonato Alves da Conceição, ou apenas Nonato, morreu dias após ser baleado em uma tentativa de fuga frustrada em um aeroporto em Goiás. No entanto, ele não morreu em decorrência dos tiros. O atestado de óbito diz que ele faleceu por anemia falciforme, que não tinha relação com os ferimentos. A hipótese é de que ele tenha sido assassinado com uma injeção letal - mas, não existem provas disso.

Patrícia Marques é jornalista e especialista em publicidade e marketing. Já atuou com cobertura de reality shows no ‘NaTelinha’ e na agência de notícias da Associação Mineira de Rádio e Televisão (Amirt). Atualmente, cobre a editoria de entretenimento na Itatiaia.
Leia mais