Ouvindo...

Times

Vôlei Masculino: veja em qual posição do ranking o Brasil ficou após o Pré-Olímpico

Posição do Brasil foi alterada após campanha de oscilações no Pré-Olímpico

Com o fim do Pré-Olímpico de Vôlei, a pontuação das seleções no ranking da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) sofreu mudanças. Mesmo com a campanha de seis vitórias e uma derrota no torneio, a Seleção Brasileira perdeu uma posição no ranking. Por outro lado, os alemães subiram cinco posições após campanha invicta na competição.

Em comparação ao ranking pós Liga das Nações, definido em julho, o Brasil caiu da quarta para a quinta posição. No caso dos alemães, o salto foi da 15° para a décima colocação.

Vôlei masculino em Paris 2024: quais países teriam vaga pelo ranking hoje?

A posição no ranking pode ser decisiva para a divisão de grupos e confrontos em competições da FIVB, além de ser um dos critérios para garantir vaga nos Jogos Olímpicos.

França, Alemanha, Brasil, Estados Unidos, Japão, Polônia e Canadá já estão garantidos em Paris 2024. As outras cinco vagas serão definidas pela ordem do ranking com base em dois critérios: seleções de continentes ainda não classificados para os jogos que estejam melhores classificadas no ranking de seleções e melhores classificadas no ranking que ainda não conseguiram vaga pelos torneios pré-olímpicos. A posição será avaliada no dia 24 de junho de 2024.

Confira o top-20:

  1. Polônia - 421.14

  2. Estados Unidos - 390.91

  3. Itália - 342.43

  4. Japão - 340.30

  5. Brasil - 338.17

  6. Argentina - 314.35

  7. Eslovênia - 307.12

  8. França - 306.80

  9. Sérvia - 306.80

  10. Alemanha - 249.10

  11. Cuba - 236.96

  12. Canadá - 222.17

  13. Países Baixos - 214.58

  14. Turquia - 210.73

  15. Irã - 207.82

  16. Ucrânia - 197.60

  17. Bélgica - 182.20

  18. Egito - 164.05

  19. República Tcheca - 160.71

  20. Bulgária - 160.07

Como funciona o ranking:

Desde 2019, a Federação Internacional de Voleibol (FIVB) utiliza um novo método para ranquear as seleções. Para realizar o cálculo, a FIVB leva em consideração o resultado de cada jogo, a comparação das probabilidades com o placar final e o peso de cada campeonato.

Para o ranqueamento, valem todos os jogos de competições reconhecidas pela FIVB com no mínimo quatro seleções.

Além disso, a Federação leva em conta a performance de cada seleção na partida. Antes de cada jogo, a pontuação dos times no ranking é comparada, de forma que o que tem mais pontos é considerado o mais forte e mais provável de performar melhor.

Baseado na pontuação e no histórico de cada time, a FIVB calcula as probabilidades para os seis placares possíveis (3x0, 3x1, 3x2, 2x3, 1x3 e 0x3) e depois compara com o resultado final da partida. Se o time performa melhor do que o esperado, ele soma pontos, enquanto o time que foi abaixo da expectativa perde a mesma quantidade. Quanto mais perto os resultados chegarem da probabilidade, menor é a quantidade de pontos alterada no ranking. Quanto mais longe, mais pontos.

Como último critério, a FIVB criou um sistema de ‘pesos’ para cada campeonato. A exemplo disso, as partidas das Olimpíadas tem o peso maior, seguidas dos jogos do Campeonato Mundial e da Liga das Nações.

Graduada em Jornalismo pela PUC Minas e repórter do portal Itatiaia Esporte. Cobre outras modalidades, especialmente vôlei.
Leia mais