Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Mundial Sub-17: veja quantos países compraram os direitos de transmissão

Torneio, com o Brasil, será disputado na Indonésia, no fim de 2023; alguns locais só terão sinal via streaming da Fifa

A Fifa negociou os direitos de transmissão do Mundial Sub-17 masculino para 188 países. Segundo documento obtido pela Itatiaia, mercados importantes para a federação internacional, como Alemanha e Reino Unido, não tiveram empresas interessadas na compra do evento, mas a entidade vai gerar as imagens a essas regiões por meio de seu streaming, o Fifa+.

A Copa do Mundo Sub-17 será disputada na Indonésia, por 24 países, de 10 de novembro a 2 de dezembro de 2023. O Brasil é o cabeça de chave do grupo C e está em busca do quinto título na categoria. A estreia será no dia 11 de novembro, contra o Irã. Depois enfrenta a Nova Caledônia, no dia 14, e o último jogo é contra a Inglaterra, dia 17.

A Globo, em todas as plataformas, e a Cazé TV, o canal do streamer Casimiro Miguel no Youtube, transmitirão o Mundial Sub-17 para o Brasil.

Para o Sub-20, realizado na Argentina entre maio e junho, 158 territórios tiveram acesso às imagens do torneio, menos portanto do que o Sub-17. A Copa feminina, disputada na Austrália e na Nova Zelândia, entre junho e julho, teve 189 países acompanhando a competição.

Na Copa Sub-17, 23 territórios terão a imagem exclusivamente gerada pelo Fifa+:

  • Cuba

  • Jamaica

  • Afeganistão

  • Camboja

  • Quirguistão

  • Laos

  • Mongólia

  • Mianmar

  • Filipinas

  • Coreia do Sul

  • Singapura

  • Tailândia

  • Timor Leste

  • Turcomenistão

  • Tajiquistão

  • Uzbequiestão

  • Vietnã

  • Alemanha

  • Rússia

  • Reino Unido

  • Austrália

  • Nova Zelândia

  • Papua Nova Guiné

A Fifa define os locais em que negocia seus campeonatos como territórios, e não países, porque em alguns casos as vendas ocorrem para regiões que nem autônomas são. Um exemplo é o departamento francês chamado Reunião, uma ilha no Oceano Índico, em águas africanas, que a Fifa cede separadamente dos pacotes oferecidos para a França.

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais