Ouvindo...

Times

Vojvoda após se tornar técnico com mais jogos pelo Fortaleza: ‘Estou feliz aqui e vou ficar’

Treinador completou 233 jogos no banco de reservas da equipe cearense, na vitória sobre o Trinidense nesta quarta-feira (29), entrando para a história do clube

O técnico Juan Pablo Vojvoda se tornou, nesta quarta-feira (29), o treinador com mais jogos oficiais pelo Fortaleza. Completou 233 partidas na vitória de 2 a 1 sobre o Sportivo Trinidense-PAR, que garantiu a vaga nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Ele ultrapassou Moésio Gomes, icônico treinador das décadas de 1950 a 1980.

“Estou feliz e quero fiar aqui. Não pensava em atingir essa marca, esse número, quando cheguei. É jogo a jogo, passo a passo, e quero agradecer aos jogadores, à minha comissão técnica, é um trabalho de todos”, disse Vojvoda.

Ele foi homenageado pelo clube, ao receber camisa, com o número atingido nas costas, uma placa e um quadro, além de depoimentos de jogadores e familiares em um telão instalado no centro de treinamento do Pici, na sede do clube. Antes da partida desta quarta, os quase 30 mil torcedores no Castelão gritaram o nome do treinador.

"É um orgulho, poder ouvir os torcedores gritando meu nome. É algo que é meu trabalho, o que gosto de fazer, e faço com prazer. Tenho que ajudar os jogadores a conseguir suas melhores atuações. O torcedor também é exigente. Daqui cinco, dez anos vão se lembrar desse dia, dessa marca, mas no final de semana agora estaremos sendo cobrados por boas atuações e vitórias”, disse Vojvoda.

Veja o histórico do treinador:

  • 233 jogos
  • 113 vitórias
  • 56 empates
  • 64 derrotas
  • 57% de aproveitamento
  • 4 títulos

Campanhas históricas

No primeiro ano de Vojvoda, em 2021, o Tricolor do Pici conquistou a quarta colocação no Campeonato Brasileiro, melhor posição da história de uma equipe do Nordeste na era por pontos corridos do Brasileirão, que começou em 2003. O time também chegou pela primeira vez às semifinais da Copa do Brasil.

Internacionalmente foi com o treinador que o Laion também garantiu a disputa da primeira Libertadores de sua história, em 2022, quando entrou diretamente na fase de grupos e chegou até as oitavas de final. No ano passado, a equipe disputou a Libertadores pela segunda temporada consecutiva, ainda que nas fases prévias, e posteriormente chegou à inédita final da Copa Sul-Americana, quando perdeu para a LDU de Quito-EQU nos pênaltis.

No período em que está no Fortaleza, Vojvoda teve sondagens de alguns clubes da elite do Sul e Sudeste brasileiros, além de ofertas de equipes e confederações estrangeiras. A última foi do Chile, que o queria como treinador da seleção daquele país para as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026 e Copa América de 2024.

“Não vou pela cabeça das pessoas, por ouvir esse ou aquele. A carreira é minha, eu decido onde trabalhar. Estou bem no Fortaleza. Não é por comodidade [que permanece]. Fortaleza tem pressão também, recebo muitas críticas quando perdemos. Estou morando em uma cidade que gosto. Por que vou a outra cidade? Por dinheiro? Pode ser, mas eu tenho direito de decidir onde quero morar, onde quero trabalhar e com quem quero trabalhar”, disse o treinador no início de 2024.

De onde surgiu Vojvoda?

O CEO do Fortaleza, Marcelo Paz, ouve essa pergunta sempre. Há um departamento de análise de desempenho no clube, que levantou dados importantes para Paz quando o nome de Vojvoda apareceu como opção. Mas surgiu de onde?

O responsável pela sugestão de investigar profundamente o trabalho do argentino é Alex Santiago, atual presidente do clube. Em 2021, ele era o diretor de futebol e já havia recebido de contatos na Argentina ótimas indicações de Vojvoda, que tinha no currículo passagens por equipes de pequeno e médio porte na América do Sul como Defensa y Justicia-ARG, Huracán-ARG, Talleres-ARG e Unión La Calera-CHI.

Mas Vojvoda não foi a primeira opção para substituir Enderson Moreira, demitido em abril de 2021 após eliminação na Copa do Nordeste. Fernando Diniz, atualmente no Fluminense, era o preferido, seguido de outro argentino, Ariel Holan, que estava saindo do Santos. As negociações com estes dois não deram certo.

Vojvoda então foi procurado e surpreendeu pela maneira que mostrou conhecer o elenco, com sugestões até surpreendentes sobre montagem de time e planejamento de calendário sem nunca ter trabalhado no futebol brasileiro. Foi contratado, para surpresa da imprensa local, mas também de diretores e conselheiros, já que ninguém o conhecia no Brasil.

“Desde o início do trabalho de Vojvoda no clube, já identificamos que havia algo de diferente em seu trabalho. As atividades sempre foram muito intensas, os atletas ficaram confortáveis com a metodologia seguida e estabelecemos um estilo de jogo que nos possibilitou alcançar resultados históricos”, disse Marcelo Paz.

Leia também


Participe dos canais do Itatiaia Esporte:

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais