Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Lateral argentino ferido em ataque a ônibus do Fortaleza fala pela primeira vez

Gonzalo Escobar foi o atleta que se machucou na madrugada de quinta-feira (22), Com 13 pontos na cabeça e traumatismo cranioencefálico; não há data para ele voltar

O lateral-esquerdo Gonzalo Escobar falou pela primeira vez após se machucar no ataque ao ônibus da delegação do Fortaleza por parte de torcedores do Sport, na madrugada de quinta-feira (22). Dos seis jogadores feridos, o argentino foi o que mais se machucou, com cortes na cabeça, onde levou 13 pontos, e traumatismo cranioencefálico.

“Primeiro quero que minha família e amigos saibam que estou bem. Obrigado a todas as pessoas que se preocuparam e me escreveram, e eu mando forças e oro por toda a equipe. Agora em casa é mais tranquilo contar, felizmente não teve tragédia. Estou aqui com 13 pontos no rosto e mais umas manchas, logo voltarei a lutar”, escreveu o jogador em um post em uma rede social.

“O resto ficará a cargo da Justiça ou dos responsáveis. Isso não funciona no futebol, somos seres humanos trabalhadores como todos. Temos família e filhos que nos esperam em casa também”, encerrou.

O jogador levou uma pancada na cabeça durante o ataque, provavelmente de uma das pedras arremessadas. No Hospital Português, no Recife, Escobar recebeu atendimentos na boca, cortada por cacos de vidro, além de ter sofrido um ferimento no supercílio. Por causa da pancada, o defensor argentino passou por uma tomografia. Ele já está em casa e os médicos do Fortaleza têm ido até lá para atendê-lo.

João Ricardo, Dudu, Titi, Lucas Sasha e Britez tiveram escoriações.

Escobar, 26 anos, foi contrato pelo Fortaleza em meados de 2023, após passagem pelo UD Ibiza, da Espanha. Ele foi revelado pelo Temperley, da Argentina, e tem sido titular com a lesão na mão de Bruno Pacheco.

Leia também

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais