Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Jogadores do Fortaleza relatam terror durante ataque a ônibus; veja

Marinho e Tinga concederam entrevista à imprensa na chegada da delegação ao Aeroporto de Fortaleza

Os jogadores do Fortaleza relataram, nesta quinta-feira (22), momentos de terror durante o ataque que o ônibus do clube sofreu nesta quarta (21), após o jogo contra o Sport pela Copa do Nordeste. O veículo foi atingido depois de sair da Arena de Pernambuco, na Região Metropolitana do Recife, com pedras e bombas.

Na chegada da delegação ao Aeroporto de Fortaleza, o atacante Marinho e o lateral-direito Tinga falaram com a imprensa. “Foi aterrorizante. Um estrondo de bomba, uma pedra gigantesca. Foram 14 pontos no [lateral Gonzalo] Escobar, vários outros atletas se cortaram e se machucaram bastante. O que fica é: até quando? Vai esperar alguém morrer, algum atleta passar mal? A gente se sente cada vez mais desprotegido. O futebol brasileiro deu muita oportunidade para pessoas que se dizem torcedores de futebol cometerem um crime. Foi terrorismo. Não tem como”, disse Marinho.

O atacante ainda completou: “Saímos para trabalhar, deixa família em casa, filhos. Os meninos chegaram enfaixados, cortados, machucados. A gente sai de casa sem saber se vai voltar. Quero saber das autoridades, da CBF, alguém precisa se posicionar sobre isso. Se esses criminosos que fizeram isso vão pagar”.

De acordo com nota divulgada pelo Leão do Pici, seis jogadores foram atingidos: o goleiro João Ricardo foi ferido com um corte no supercílio e o lateral-esquerdo Gonzalo Escobar sofreu uma pancada na cabeça, um corte na boca e um outro corte no supercílio. O lateral-direito Dudu, os zagueiros Titi e Brítez, e o volante Lucas Sasha foram feridos com estilhaços de vidro e tiverem que conter sangramentos. Todos eles foram levados ao hospital após o ocorrido.

Tinga revelou ainda estar em choque. “Não temos noção ainda do que aconteceu. Não dormi ainda, estou em choque. Não aconteceu nada comigo, mas vi nossos companheiros gritando, um apavoro. O ônibus seguiu, não dava para parar. Estávamos no meio da estrada. Veio o desespero, todo mundo nervoso, em choque. Nós, jogadores, somos trabalhadores também. Temos familiares, nossos filhos. Não penso em jogar agora”, pontuou.

O lateral ainda cobrou um posicionamento mais firme do Sport em relação ao caso. “Foi uma covardia o que fizeram com a gente. O Sport fez tudo o que falou, respeito, mas acho que, se eles não punirem a torcida uniformizada deles, vai ser cada vez pior”, avaliou.

Posição do Sport

Em nota, o Sport lamentou o atentado e disse que se colocou "à disposição para ajudar na apuração dos fatos e nas investigações, buscando identificar os envolvidos nesse ato criminoso”. Confira o texto completo:

“O Sport Club do Recife repudia veementemente os atos de violência praticados contra o ônibus da delegação do Fortaleza Esporte Clube na saída da Arena de Pernambuco após a partida desta quarta-feira.

Os absurdos atos de violência não condizem com a real conduta e comportamento da torcida rubro-negra, tampouco com os valores do Clube - que sempre irá abominar esse tipo de postura.

O presidente Yuri Romão, o executivo André Figueiredo, o coordenador técnico Ricardo Drubscky e a equipe médica do Clube já estão com delegação do time cearense, prestando apoio e todo o suporte necessário.

O Sport também já se colocou à disposição para ajudar na apuração dos fatos e as investigações, buscando identificar os envolvidos nesse ato criminoso”.

Leia também

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Nuno Krause é correspondente da Itatiaia na região Nordeste. Formado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), acumula passagens por Bahia Notícias, Jornal A TARDE e Rádio Salvador FM. Atua no jornalismo esportivo desde 2019.
Formado em jornalismo pela PUC-Campinas em 2000, trabalhou como repórter e editor no Diário Lance, como repórter no GE.com, Jornal da Tarde (Estadão), Portal IG, como repórter e colunista (Painel FC) na Folha de S. Paulo e manteve uma coluna no portal UOL. Cobriu in loco três Copas do Mundo, quatro Copas América, uma Olimpíada, Pan-Americano, Copa das Confederações, Mundial de Clubes, Eliminatórias e finais de diversos campeonatos.
Leia mais