Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Presidente do Sousa-PB critica logística do Cruzeiro e analisa situação de gramado

Aldeone Abrantes, dirigente do clube paraibano, disse que Cruzeiro poderia ter valorizado mais a passagem por Sousa

O Sousa-PB se classificou à segunda fase da Copa do Brasil, após eliminar o todo poderoso Cruzeiro, o maior campeão da competição com seis títulos. A enorme façanha colocou o holofote direcionado ao clube paraibano, destaque nacional nesta quinta=feira (22).

O presidente do Sousa-PB, Aldeone Abrantes, não mediu palavras para defender o seu clube após o grande feito na Copa do Brasil. Na visão do dirigente, muitas pessoas creditaram o triunfo em cima do Cruzeiro aos problemas do gramado, encharcado por causa da forte chuva que caiu no município de Sousa-PB nos últimos dias, o que foi completamente criticado pelo gestor do Dino.

"É muito pequeno atribuir que o Cruzeiro não ganhou por causa do gramado. O gramado não deu 100% de condição, mas o Marizão não tem um buraco. Não machucou ninguém no jogo, estava chovendo, mas no Mineirão, se chove, também tem água. A chuva foi para os dois, não choveu apenas em cima dos jogadores do Sousa. Várias vezes a poça d'água atrapalhou nosso contra-ataque. Atrapalhou um lado e outro, não tem justificativa de falar de água, gramado. É o meu ponto de vista, mas não posso dar opinião na casa dos outros”, reclamou, em entrevista à Itatiaia.

Aldeone Abrantes aproveitou para criticar o planejamento de logística do Cruzeiro. O clube celeste escolheu ficar em Campina Grande, cidade distante mais de 300 quilômetros de Sousa. O departamento de futebol celeste preteriu Juazeiro do Norte, mais próxima de onde a partida entre paraibanos e mineiros foi realizada.

Na visão do presidente, o Cruzeiro poderia ter valorizado mais sua presença na cidade onde o duelo foi realizado. E não ter feito isso, acabou prejudicando o próprio clube celeste.

“Eu acho que (o Cruzeiro) errou sim (na logística). De Juazeiro (do Norte) para Sousa dá 160 quilômetros, e de ônibus dá duas horas, duas horas e meia. Os clubes (que já enfrentaram o Sousa em outros momentos) fizeram o que? Desceram em Juazeiro, vieram para cá, hospedaram, treinavam aqui. Alugaram um campo aqui, até melhor do que o campo que a gente joga”, criticou.

Aldeone disse que esperava mais do Cruzeiro em Sousa, até para valorizar o jogo entre as equipes na Copa do Brasil.

“A gente pensava que (a delegação do Cruzeiro) passaria mais pela cidade, até poderia melhorar mais a arrecadação (do jogo). A escolha do Cruzeiro foi ficar em uma cidade que está 320 quilômetros de Sousa, em Campina Grande. Praticamente, você coloca quatro horas de ônibus a mais. O Cruzeiro chegou em Sousa com menos de 24h para o jogo. Achei que não foi a melhor coisa, eu faria diferente. O Cruzeiro optou por isso”, voltou a criticar.

Depois da derrota, o técnico do Cruzeiro, Nicolás Larcamón, evitou colocar culpa no gramado. O que foi exaltado pelo presidente do Sousa-PB.

“Ainda bem que o treinador do Cruzeiro não embarcou nessa de falar do gramado. Cruzeiro foi muito bem recebido aqui, fizemos amizade boa com quem veio. O Sousa ganhou, porque era para ganhar. Batemos na trave várias vezes no Estadual, na Série D. Ia chegar o dia que teríamos sucesso, e aconteceu contra o Cruzeiro”, comemorou.

Participe do canal da Itatiaia no WhatsApp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Guilherme Piu é jornalista esportivo com experiência multiplataforma: digital, revista, rádio e TV. Tem dois livros publicados e foi premiado em festivais de cinema no Brasil e no exterior, dentre eles o Cinefoot. Cobriu grandes eventos, como Copa do Mundo, Olimpíada, Copa América e torneios de futebol. Passou por Hoje em Dia, Uol e Revista Placar.
Leia mais