Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Neymar pede anulação de multas de R$16 mi em mansão no Rio

Craque entrou com ação na Justiça do Rio de Janeiro no início de setembro; ele recebeu quatro multas que, juntas, somam R$16 milhões

Mais uma polêmica envolve a mansão de Neymar em Mangaratiba, no Rio de Janeiro. Dessa vez, o atacante entrou com um processo contra o município para anular as multas que somam mais de R$16 milhões por infrações ambientais no local.

Segundo Diego Garcia, colunista do UOL, o craque do Al-Hilal, da Arábia Saudita, entrou com ação na Justiça do Rio de Janeiro no início desse mês. Neymar teria conseguido uma liminar que o favorecia no processo, mas a Prefeitura de Mangaratiba conseguiu reverter a decisão da Justiça.

Neymar recebeu quatro multas que, juntas, somam mais de R$16 milhões. As infrações cometidas por ele levam em conta a construção de um lago artificial na mansão, que teve as obras interditadas em junho desse ano. O pai do craque, Neymar da Silva Santos, chegou a receber voz de prisão no dia da interdição, já que desacatou uma servidora da Secretaria de Meio Ambiente da cidade.

A defesa do atacante alegou que houve vícios na qualificação dos autos de infração e citaram que houve uma “espetacularização midiática” do caso. Além disso, a equipe jurídica de Neymar afirma que o processo foi instaurado sem provas.

O processo ainda corre na Justiça do Rio de Janeiro.

Entenda o caso

A obra da mansão de Neymar em Mangaratiba, no Rio de Janeiro, foi interditada em junho desse ano, em uma ação conjunta da prefeitura da cidade com a Polícia Militar Ambiental, a Polícia Civil e agentes do Grupamento de Proteção Ambiental. A ação foi realizada após denúncias nas redes sociais que mostravam uma grande obra sem autorização ambiental na mansão do jogador.

Segundo a Prefeitura, diversas infrações ambientais foram descobertas pela equipe, como desvio de curso de água, captação de água em rio sem autorização, captação de água para lago artificial, terraplanagem, escavação, movimentação de pedras e rochas sem autorização e aplicação de areia de praia sem autorização ambiental. No entanto, mesmo sendo interditado, Neymar inaugurou a obra e chegou a mergulhar no lago.

A princípio, a Prefeitura de Mangaratiba havia informado que a multa seria de R$5 milhões, mas o valor foi aumentado para R$16 milhões devido à gravidade das infrações ambientais. A procuradora-geral da cidade, Juraciara Souza Mendes da Silva, determinou os valores das multas depois de analisar o relatório de vistoria feito pela equipe de fiscalização ambiental com o auxílio de profissionais especializados, como engenheiros, biólogos e oceanógrafos.

Veja o valor de cada multa:
  • Realização de obra passível de controle ambiental sem autorização: R$ 10 milhões;

  • Movimentação de terras sem autorização: R$ 5 milhões;

  • Descumprimento de embargo imposto (o jogador mergulhou no lago depois de interditado): R$ 1 milhão;

  • Supressão de vegetação sem autorização: R$ 10 mil.

No relatório, de 46 páginas, constam outras infrações que foram constatadas na propriedade do jogador estão, como desvio de curso de água, captação de água de rio sem autorização, captação de água para lago artificial, terraplanagem, escavação, movimentação de pedras e rochas sem autorização e uso de areia de praia sem autorização ambiental.

Jornalista formada pela PUC Minas. Mineira, apaixonada por esportes, música e entretenimento. Antes da Itatiaia, passou pelo portal R7, da Record.
Leia mais