Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Rachadinha: Boulos vota por arquivamento de representação contra Janones no Conselho de Ética

Conselho de Ética concedeu vista, e relatório do deputado Guilherme Boulos (Psol-SP) contra a representação será analisado na próxima sessão

Relator da representação contra o deputado André Janones (Avante-MG) por acusações de rachadinha, o deputado Guilherme Boulos (Psol-SP) apresentou nesta quarta-feira (15) um relatório pelo arquivamento desse processo pela cassação do político mineiro no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Após a apresentação do relatório, parlamentares pediram vista coletiva, e o voto de Boulos será analisado apenas na próxima sessão do colegiado.

A representação pela cassação de Janones chegou ao Conselho de Ética pelo Partido Liberal (PL). O deputado federal eleito por Minas Gerais compõe a base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e é acusado da prática de rachadinha em seu gabinete em 2019. Ele teria cobrado uma parcela do salário de seus assessores para pagamento de dívidas de campanha. As denúncias contêm um áudio atribuído a Janones, no qual ele pede a devolução de partes dos salários de membros do gabinete.

Leia também

Em seu relatório, Boulos argumentou que o Conselho de Ética abriu um precedente em um processo anterior, impedindo o avanço de representações que se referem a práticas cometidas em mandatos anteriores. “Aqui não entramos no mérito se o deputado André Janones cometeu ou não crime. O relatório entra na formalidade técnica da existência ou não de jurisprudência, se a prática ocorreu antes do mandato. E nós temos precedentes. Não pode haver dois pesos e duas medidas”, argumentou.

Investigação. O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a Polícia Federal (PF) a instaurar um inquérito para investigar a denúncia de rachadinha no gabinete do deputado André Janones. O ministro Luiz Fux concedeu permissão para quebras dos sigilos bancário e fiscal de Janones e de outras cinco pessoas envolvidas no escândalo.

O deputado federal nega as acusações e argumenta que a denúncia é baseada em um áudio editado e descontextualizado. “Não se trata de devolver salários, mas de contribuições espontâneas, com a participação do parlamentar, sem quaisquer obrigação ou valores definidos, como fica claro no áudio apresentado”, justificou na defesa.


Participe dos canais da Itatiaia:

Repórter de política em Brasília. Na Itatiaia desde 2021, foi chefe de reportagem do portal e produziu série especial sobre alimentação escolar financiada pela Jeduca. Antes, repórter de Cidades em O Tempo. Formada em jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Leia mais