Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Copa do Mundo Feminina deve ser no Brasil, diz secretário Nacional de Futebol; saiba possíveis sedes

Anúncio do pais vencedor será no dia 17 de maio, em Congresso da Fifa

O Secretário Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor, Athirson Mazzoli, está otimista com a candidatura do Brasil para sediar a Copa Feminina de Futebol em 2027. O anúncio do país vencedor da concorrência será feito no dia 17 de maio. Os concorrentes são Estados Unidos e México, e, na Europa, um bloco formado por Bélgica, Holanda e Alemanha.

Para Athirson, que foi lateral de clubes como Flamengo e Cruzeiro, as chances do Brasil são grandes. “A gente sabe que está brigando com grandes países, de primeiro mundo, mas temos uma grande possibilidade, porque os Estados Unidos e principalmente a Europa já sediaram uma Copa do Mundo Feminina. Ainda não sediamos essa Copa do Mundo Feminino aqui no lado sul-americano. Então, isso aumenta a nossa chance. Ficamos na expectativa, também, de conseguir trazer para o Brasil essa grande possibilidade. Ficamos animados”, avaliou.

O secretário também destaca o fato de o Brasil ter estádios prontos e logística de locomoção no entorno deles. “Já tem os estádios prontos para a gente atender todos os jogos — são 64. Então, transporte a gente já sabe que funciona muito bem em relação a isso, principalmente naquele período que funcionou a Copa do Mundo”, complementa.

De acordo com ele, 10 cidades já foram definidas e os seguintes estádios colocados nos planos da Fifa:

Leia também

Belo Horizonte - Mineirão

Brasília - Mané Garrincha

Cuiabá - Arena Pantanal

Fortaleza - Arena Castelão

Manaus - Arena Amazônia

Porto Alegre - Beira-Rio

Recife - Arena Pernambuco

Salvador - Arena Fonte Nova

São Paulo - Neo-Química Arena

Rio de Janeiro - Maracanã.

Ainda de acordo com ele, uma possível escolha do Brasil pode alavancar o desenvolvimento do futebol feminino no país.

“A gente sabe da importância, aqui, de fomentar cada vez mais esse futebol feminino, que é importantíssimo para o nosso país desenvolver essas crianças desde pequenas, para cada vez mais elas terem a habilidade, o cognitivo, trazer cada vez mais o entendimento do jogo e a oportunidade para todos. Essa oportunidade, vindo para o Brasil, aumenta a condição de a gente desenvolver cada vez mais programas, não só de futebol, mas também de treinamentos, de competições. Essa é a nossa missão aqui na Secretaria”, afirmou.


Participe dos canais da Itatiaia:

Edilene Lopes é jornalista, repórter e colunista de política da Itatiaia e podcaster no “Abrindo o Jogo”. Mestre em ciência política pela UFMG e diplomada em jornalismo digital pelo Centro Tecnológico de Monterrey (México). Na Itatiaia desde 2006, já foi apresentadora e registra no currículo grandes coberturas nacionais, internacionais e exclusivas com autoridades, incluindo vários presidentes da República. Premiada, em 2016 foi eleita, pelo Troféu Mulher Imprensa, a melhor repórter de rádio do Brasil.
Leia mais