Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

No dia lançamento da pré-candidatura de Fuad, secretária indicada pelo PT pede exoneração

Petistas negam que tenham sido uma posição partidária e eleitoral e alegam insatifação da secretária com a posição da prefeitura em relação às políticas para a população LGBTQIA

No dia do lançamento da pré-candidatura do prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), a secretária de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania da Prefeitura, Rosilene Rocha, pediu exoneração. O desligamento está publicado no Diário Oficial do Município desta terça-feira (27). Embora o PT também tenha um pré-candidato, o deputado federal Rogério Correia, petistas negam que a confirmação da pré-candidatura de Fuad tenha sido o motivo da saída de Rosilene. No entanto, algumas fontes disseram à coluna que o assunto chegou a ser debatido no ano passado, mas a questão não foi fechada. Inclusive, de acordo com interlocutores de Rosilene, a agenda dela com Fuad foi a primeira do dia e ela não sabe sobre a pré-candidatura.

LGBTQIA+

Petistas sustentam que o motivo da saída que a remoção de uma placa com as cores do arco-íris e o escrito “Bem-vindes” na entrada do Centro Referência LGBTQIA+, na região central da cidade, desrespeitou a secretária e inviabilzou o diálogo da pasta com os movimentos sociais. A retirada ocorreu após pressão de parlamentares da direita e Rosilene teria se sentido desautorizada com a ação da prefeitura. Segundo o vereador Pedro Patrus foi um caso de “LGBTfobia institucional”.

Dança das cadeiras

Fato é que mesmo que a saída não esteja ligada ao cenário em que o PSD tem uma pré-candidatura à PBH e o PT tem outra, segundo fontes da coluna, esse assunto seria tratado internamente. De toda forma, o anúncio do nome de Fuad inaugura uma dança das cadeiras na prefeitura já que ele terá que discutir o espaço do PT, decidir sobre os quatro secretários indicados por Marcelo Aro e ainda resolver qualquer combinado feito com o ex-prefeito Alexandre Kalil, que hoje é um desafeto dentro da legenda.

Edilene Lopes é jornalista, repórter e colunista de política da Itatiaia e podcaster no “Abrindo o Jogo”. Mestre em ciência política pela UFMG e também diplomada em jornalismo digital pelo Centro Tecnológico de Monterrey (México). Na Itatiaia desde 2006, já foi apresentadora e registra no currículo grandes coberturas nacionais, internacionais e exclusivas com autoridades, incluindo vários presidentes da República. Premiada, em 2016 foi eleita, pelo Troféu Mulher Imprensa, a melhor repórter de rádio do Brasil.
Leia mais