Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Ato pró-Bolsonaro: imprensa internacional repercute evento de defesa ao ex-presidente

Manifestação convocada por Bolsonaro e realizada na tarde do último domingo (25) foi comentada por jornais estrangeiros; grande adesão ao ato, bandeiras de Israel e investigações envolvendo ex-presidente foram destacados

O ato de apoio a Jair Bolsonaro (PL) realizado no último domingo (25), na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo, repercutiu na imprensa internacional com destaque a grande adesão dos apoiadores do ex-presidente.

No vídeo publicado nas redes sociais por Bolsonaro ao convocar manifestação, o ex-presidente justifica que o objetivo da ação apresentar para o mundo uma “grande fotografia” da insatisfação dos brasileiros frente à política nacional.

O jornal inglês The Guardian além de destacar a participação de “dezenas de milhares” no ato, classificou Bolsonaro como político de “extrema-direita” e afirmou que “Bolsonaro está tentando mostrar que sua base é resiliente enquanto está sendo investigado”.

O Daily Mail, também inglês, afirmou que a ampla adesão a manifestação se consolidou como “uma demonstração de apoio” dos simpatizantes mesmo em meio às acusações envolvendo Bolsonaro. A matéria publica ainda afirma que “uma imensa multidão de seus apoiadores lotou a Avenida Paulista, uma das principais artérias da capital econômica do país”.

A agência de notícias Reuters afirmou que o Bolsonaro é constantemente comparado ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump e classificou o ex-presidente como “populista” de “extrema-direita”.

O jornal espanhol El País, destacou que o ato reforça e demonstra a liderança de Bolsonaro mesmo após a sua saída da presidência. O jornal destacou que a manifestação aconteceu três dias após o depoimento de Bolsonaro à Polícia Federal. Deflagrada pelo Supremo Tribunal Federal, a operação Tempus Veratis apura o envolvimento do ex-presidente e aliados a suposta tentativa de um golpe de Estado.

O ato também foi destaque na imprensa em Israel. O The Times of Israel mencionou o apoio de Bolsonaro e de seus aliados a Israel em comparação as declarações do presidente Lula (PT). Durante uma viagem a Etiópia, o presidente Lula comparou em entrevista coletiva Israel ao Hamas.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula.

O jornal israelense ainda mencionou as bandeiras que podiam ser vistas com os manifestantes na Avenida paulista.

“Bolsonaro chegou agitando a bandeira israelense – uma rejeição aos comentários do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada comparando a ofensiva de Israel em Gaza ao Holocausto – antes de colocar a mão no peito para o hino nacional. Várias bandeiras israelenses puderam ser vistas com destaque na multidão”

Os jornais franceses, Le Monde, Le Figaro e France 24 mencionaram que o ato convocado por Bolsonaro foi uma demonstração de força política e classificaram o ex-presidente como “extrema-direita”.

Na Alemanha, os pedidos de Bolsonaro para anistiar os envolvidos no 8 de janeiro de 2023 e para a pacificação no país foram destaque nos jornais Süddeutsche Zeitung, Spiegel e De Telegraaf.

Na ásia, o ato de Bolsonaro foi destaque na Coreia do Sul e no Japão. O Jornal, The Korea Times, afirmou que a manifestação reforça a “força em meio às investigações de golpe”. Já o japonês, BNN Breaking, afirmou que “a manifestação em São Paulo não só serviu como plataforma para Bolsonaro expressar as suas queixas, mas também funcionou como um espelho que reflete as profundas divisões na sociedade brasileira”.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Repórter de Política Nacional e Internacional na rádio Itatiaia. Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e pós-graduanda em Comunicação Governamental na PUC Minas. Sólida experiência no Legislativo e Executivo mineiro. Premiada na 7ª Olimpíada Nacional de História do Brasil da Universidade de Campinas.
Leia mais