Notícias

Sobrevivente de Brumadinho relata o que viveu após o rompimento da barragem da Vale

Por Redação, 16/01/2020 às 13:39
atualizado em: 16/01/2020 às 13:46

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Um milagre. Assim Antônio França Filho, de 56 anos, define o fato de estar vivo. Ele trabalhava em uma terceirizada da Vale e estava na Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, quando a barragem B1 da mineradora rompeu, em 25 de janeiro de 2019.

“Eu cai da altura de sete metros da instalação, e do peito para baixo eu fiquei todo preso. Não conseguia mexer nada. O telefone tocava, e eu não conseguia atender. Até os bombeiros chegarem foram mais ou menos duas horas. Foi um momento muito delicado porque não sabiam como iam me tirar, pois só conseguia mexer a cabeça e o braço esquerdo”, relata.

Emocionado, Antônio diz que, até ser resgatado, não sabia que a barragem havia rompido. “Quando eu olhei para baixo que eu vi a lama. Era pura lama. E aí veio aquela tristeza porque eu soube que a maioria dos meus colegas de trabalho tinha morrido."

Com a tragédia, Antônio teve quatro costelas quebradas e o pulmão perfurado. Problemas insignificantes diante ao fato de estar vivo. “O sonho é seguir em frente, criar meu filho, graças a Deus estou aqui, e que seja feita a Justiça”.

No próximo dia 25 de janeiro, a tragédia, que deixou 270 mortos, completará um ano. Como forma de homenagear as vidas levadas pela lama, a Itatiaia veicula a série ‘Memórias de um ano que não passou’. Clique aqui e ouça a história de Antônio França Filho com o repórter João Felipe Lolli

Ouça também outros episódios da série:

Moradora de comunidade de Brumadinho pede por ajuda: ‘Estamos deprimidos e doentes’

‘O maior desafio é lidar com a dor e seguir em frente’, diz jovem que perdeu a avó em Brumadinho

‘O lugar ficou muito triste’, desabafa moradora de comunidade em Brumadinho

‘Esse filme de terror nunca vai acabar’, desabafa moradora de comunidade de Brumadinho

Líder comunitário de Brumadinho teme por continuidade do comércio após a tragédia

Moradora de Brumadinho fala sobre saudade de namorado, com quem se casaria

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽Em Belo Horizonte, em 1906, nasce Ricardo Pierri Chiari, o Piorra, um dos grandes ídolos do Palestra Itália (Cruzeiro) e que integrou o grande time tricampeão mineiro em 1928...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    “O bolsão que se rompeu possuía a capacidade de 1 milhão de metros cúbicos de água e a barragem que recebeu esse volume de água possuía a capacidade para 4 milhões de metros c...

    Acessar Link