Ouça a rádio

Compartilhe

Relembre os grandes sucessos de Renato Teixeira, gravado por Elis Regina e Maria Bethânia

Compositor de 'Romaria', 'Tocando em Frente', 'Frete' e outros clássicos da música brasileira, ele empreendeu parcerias com Almir Sater e o filho Chico Teixeira

Luiz Tripolli/Divulgação
Foto: Luiz Tripolli/Divulgação

Renato Teixeira nasceu em Santos, litoral de São Paulo, no dia 20 de maio de 1945. Cantor, compositor e instrumentista, ele se destacou na música brasileira com um estilo único e facilmente identificável, com fortes raízes no Brasil profundo, que mistura influências sertanejas ao folk e a MPB. 

Ao longo da carreira, teve músicas gravadas por Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethânia e o parceiro Almir Sater, em sucessos como “Romaria” e “Tocando em Frente”. 

Em 1969, apresentou o seu primeiro grande sucesso, “Frete”, que virou tema do seriado “Carga Pesada”, na TV Globo, com Antonio Fagundes e Stênio Garcia. 

“Romaria” (toada, 1977) – Renato Teixeira
Elis Regina estava grávida de sete meses quando pisou no palco do “O Fino da Música”, série de shows idealizada por Zuza Homem de Mello, para cantar “Romaria”, composição até então desconhecida que se tornaria um de seus maiores sucessos. 

Elis conheceu Renato Teixeira, autor da música, durante a passagem por um estúdio de São Paulo ao lado do marido, César Camargo Mariano. A toada teria os versos elogiados pelo poeta concretista Augusto de Campos, e colocaria Renato Teixeira e a chamada música caipira e sertaneja imediatamente no radar da MPB, graças ao faro para novidades de Elis Regina.

“Amizade Sincera” (toada, 1981) – Renato Teixeira
“Folk é uma palavra que é originária do folclore, então são músicas que tem um vínculo com a história cultural do povo que ela representa. A minha música e a do Almir não tem uma nomenclatura específica e única, na verdade. ‘Romaria’, por exemplo, é uma importante representante da cultura caipira”, avalia Renato Teixeira. Também se insere nessa tradição a música “Amizade Sincera”, lançada pelo compositor em 1981, e regravada num dueto com Dominguinhos. 

“Trem do Pantanal” (caipira, 1981) – Geraldo Roca e Paulo Simões
Numa noite de Natal, na madrugada de 25 de dezembro, o compositor Geraldo Roca (1954- 2015) atirou contra a própria cabeça e pôs fim a sua vida. Assim, ele escolheu a mesma data da morte do cineasta Charlie Chaplin para sair de cena. 

Naquele ano, Renato Teixeira e Almir Sater, dupla responsável pela histórica “Tocando em Frente”, colocara em prática um sonho antigo. Depois de décadas, os dois finalmente gravaram um disco juntos. 

Em momentos distintos, os dois também gravaram suas versões para “Trem do Pantanal”, belíssima música de Geraldo Roca e Paulo Simões, e que adquire tons épicos e notáveis. 

“Amanheceu, Peguei a Viola” (caipira, 1984) – Renato Teixeira
“A vida no campo é um tema primordial para a cultura da música caipira, que contou tantas histórias maravilhosas com o passar dos tempos. O homem do campo está em ‘Romaria’ e está também nos sucessos atuais da música caipira, histórias diferentes contadas de formas distintas. A música caipira não mudou, o que mudou foi a vida do homem no campo, e é por conta dessa reinvenção e modernização do estilo de vida que a música caipira e a vivência do homem do campo continua conversando com um grande público”, afirma Renato Teixeira que, em 1984, lançou um dos melhores exemplos do gênero, “Amanheceu, Peguei a Viola”, e que se tornou outro grande sucesso do cantor. 

“Tocando em Frente” (sertaneja, 1991) – Almir Sater e Renato Teixeira
Muito mais próximo da natureza, o homem do campo está infinitamente melhor integrado ao seu meio do que o sujeito urbano, que vive em meio a fumaças e foguetes. 

Talvez por isso seja ele o principal bastião e aquele onde é possível encontrar, ainda, traços de serenidade, paz e de um ritmo que não atropela o tempo, mas se estende com ele. 

“Tocando em Frente” é um clássico da canção sertaneja, composta pelos não menos clássicos do estilo Almir Sater e Renato Teixeira, e nos traz o gosto e o aroma das “massas e das maçãs”. 

“Pai e Filho” (sertaneja, 2011) – Renato Teixeira e Chico Teixeira (adaptação para “Father and Son”, de Cat Stevens)
Em 1970, o cantor e compositor Cat Stevens lançou um dos grandes sucessos de sua carreira: “Father and Son”. Cat se converte ao islã em 1978 e se afastou da grande mídia. 

Apesar disso, suas canções continuaram tocando nas rádios e embalando fãs de diferentes gerações, especialmente os adoradores da música folk. 

Em 2011, Renato Teixeira e o filho Chico Teixeira compuseram uma adaptação para “Father and Son”, rebatizada de “Pai e Filho”. A versão não se apega à tradução literal dos versos, mas ao sentimento que transmitem.