Ouça a rádio

Compartilhe

Produtores rurais de Minas vão hoje a Brasília para tentar reverter os efeitos causados pelas fortes chuvas

Ministra Tereza Cristina se reunirá com produtores rurais mineiros

Divulgação/Emater-MG
Foto: Divulgação/Emater-MG

Lavoura de feijão ficou destruída por conta dos temporais

Produtores rurais de Minas lidam com os prejuízos que vieram junto às chuvas intensas do início do ano, e para pedir um auxílio ao governo federal, a direção do sistema FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais), vai se reunir nesta quarta-feira (26) em Brasília com a Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. 
 
O sistema FAEMG fez uma pesquisa junto aos produtores rurais para identificar os principais problemas que têm sido enfrentados por eles. Christiano Nascif, superintendente do Senar-MG (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), relata as informações obtidas no levantamento.
 
“Os dados que chamaram mais atenção foram as perdas na produção, principalmente de leite e também das polerículas, porque são mais sensíveis e são produtos perecíveis. Com as estradas rompidas, praticamente se perdeu tudo. Houve perdas em animais e perdas de lavouras. Pastagem chamou muita atenção e a produção de milho. Isso já sinaliza para a alta desses alimentos na época da entre safra, porque a safra comprometerá a sua produção”, pontua Christiano Nascif.
 
Segundo o superintendente, as enchentes também levaram cercas nas propriedades, que são caras, prejudicando o bolso dos produtores rurais.
 
“As cercas nas propriedades, que é um item muito caro, em torno de R$ 5 mil por quilômetro, para recompor uma cerca, tem muita cerca que a enchente levou. Os produtores estão sentindo no próprio bolso essas perdas. Também a questão de energia elétrica, que tem sido um outro entrave, interrompidas ou intermitentes, ou seja, o produtor rural de Minas, mesmo com essa parada da chuva momentânea, ainda não conseguiu recompor”, complementou Nascif.
 
Christiano também falou sobre a dificuldade de recomposição por parte dos produtores após os temporais.

“Quando você perde animais, quando perde lavoura, isso não há uma recomposição muito rápida, isso demora. Com o agronegócio sendo prejudicado, prejudica toda a economia, porque não só aumenta custo dos alimentos, como também deixa de circular dinheiro no interior”, disse Nascif.
 
O superintendente do Senar-MG explicou qual será o objetivo da conversa com a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina.
 
“O contato vai abrir as portas para outros setores, para o Ministério da Infraestrutura, o Banco Central, cooperativas de crédito, com algumas outras instituições financeiras onde o produtor rural mineiro se relaciona muito. Será a porta de entrada juntamente com a CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil) para trazer projetos e soluções para o problema atual. Liberação de recursos para aquisição de rações e insumos para recuperação de pastagem, capital de giro, recuperação de áreas degradadas e conservação de água e solo. Prorrogação de dívidas vencidas até 2021 e vencendo em 2022 para o final do contrato, recuperação de crédito, suspensão de execuções. Isso tudo está na pauta”, concluiu Christiano Nascif.