Ouça a rádio

Compartilhe

Polícia prende suspeito de ter matado mulher trans em bar de Caeté

O homem disse que Kelly comprou um celular, não pagou e ameaçou dizendo que iria fazer 'trabalhos de feitiçaria' contra ele

Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Kelly foi morta com 11 tiros em um bar da cidade

Um dos suspeitos de matar a mulher trans Kelly Keyze Rosa da Silva, de 32 anos, foi preso neste domingo (17), em Sabará, na região Metropolitana de Belo Horizonte. Ela teria sido morta após comprar um celular de R$ 700 na mão do autor e não pagar.  De acordo com o homem, quando foi cobrar a vítima, ela teria afirmado que faria “trabalhos de feitiçaria” para ele. 

Com o suspeito, foram apreendidos dois revólveres e drogas. A polícia agora está em busca do segundo autor do crime. Os dois são envolvidos com o tráfico de drogas em Caeté. 

Neste domingo, a Polícia Civil informou que foi até o bar onde Kelly foi morta e recolheu “vestígios que possam colaborar com a investigação". Além disso, destacou que a “autoria, motivação e dinâmica do crime serão investigadas” pela delegacia do município. 

Entenda o crime

Kelly foi morta nesta madrugada com 11 tiros em um bar de Caeté, na Grande BH, enquanto dançava com o irmão. Mais conhecida como Pepê no bairro Emboabas, Kelly era uma pessoa muito querida pelas moradores da região. 

De acordo com vizinhos, ela estava muito feliz porque conseguiu, recentemente, fazer a troca do nome na documentação. Além disso, "ela ajudava a cobrar melhorias no transporte público, iluminação, saneamento básico, estrutura adequada para os moradores da região".