Notícias

Isolamento social tem aumentado incidência de dores crônicas, segundo especialistas

Uma das principais razões para a volta das dores na quarentena é o home office e a falta de exercícios físicos

Por Ana Paula Pimenta , 04/07/2020 às 07:00

Texto:

Foto: Pixabay/ banco de imagens
Pixabay/ banco de imagens

RESUMO

  • Com cerca de quatro meses de isolamento social, causada pela pandemia do novo coronavírus, médicos e fisioterapeutas têm percebido um aumento de casos nos consultórios que há muito tempo estavam controlados: as dores crônicas
  • Uma das principais razões para a volta das dores na quarentena é o home office, como aponta o ortopedista, especialista em coluna, Daniel Oliveira


Com cerca de quatro meses de isolamento social, causada pela pandemia do novo coronavírus, médicos e fisioterapeutas têm percebido um aumento de casos nos consultórios que há muito tempo estavam controlados: as dores crônicas. 

Uma das principais razões para a volta das dores na quarentena é o home office, como aponta o ortopedista, especialista em coluna, Daniel Oliveira.

“Esse novo cenário obrigou as pessoas a trabalhar dentro de casa, mas a grande questão é que a maioria das pessoas não têm um ambiente preparado pra essa jornada de trabalho, não têm mesa e cadeira adequadas. Elas se mantém numa má postura, com pescoço pra frente, sem apoiar as costas e tudo isso gera dores, principalmente na lombar e no pescoço”, explica.

Pollyanna Ribeiro, de 36 anos, sabe bem disso. A advogada trabalhava em escritório e tinha uma rotina ativa e agora vem sentindo a diferença. 

“Eu sempre trabalhei no computador, mas antes eu caminhava pra ir até o escritório, saía pra almoçar e pra fazer lanche. Até a ida pra tomar o cafezinho já era um momento em que eu me movimentava. Hoje, eu cheguei no ponto que deixo o café em cima da mesma e nem pra isso me levanto mais”, afirma.

A advogada conta que, além de trabalhar sentada, ainda faz cursos pela internet, chegando a ficar mais de 12 horas em frente ao computador. "Eu trabalho de 9h às 20h, depois faço aula de inglês pelo computador e também estudo para concurso, tudo ensino à distância. Comecei a sentir muita dor nas costas e na lombar. Achei que fosse a cadeira, cheguei a trocar, mas ainda dói muito, conta”

Medicação

Na tentativa de se livrar das dores, Pollyanna vem buscando a solução nos medicamentos. Por receio de ir ao médico, a advogada conta que têm tomado anti-inflamatórios e analgésicos sem orientação médica, fato que preocupa o ortopedista.

"Os anti-inflamatórios são muito eficazes em removerem as dores, mas podem levar tanto à úlceras e gastrites, até comprometer a função dos rins, principalmente se tomados por longos períodos. Anti-inflamatório deve ser evitado. O medicamento é para um alívio temporário das dores, mas a gente tem que atacar a causa do problema: melhorar a postura e praticar atividades físicas", explica Daniel. 

Exercícios físicos

O ortopedista Daniel Oliveira aponta outro desafio imposto pela quarentena, os exercícios físicos. De acordo com ele, muitos dos problemas enfrentados pelos pacientes são causados pelos extremos: o sedentarismo e o excesso de atividade.

“A atividade física é essencial, também no controle das dores e no condicionamento. É muito importante praticar por cerca de 20 a 30 min, pelo menos três vezes na semana, tanto pra manter o condicionamento muscular e também pra ter momento de descanso mental. O problema é que muitas pessoas ficam paradas e de repente querem perder o peso acumulado e já começa com exercícios muito intensos.”

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Partida acontece nesta terça-feira (7), às 11h. No jogo de ida, times empataram por 0 a 0. #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/galo-x-bragantino-fazem-final-do-bras...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Militares do Corpo de Bombeiros também atuam, nesta segunda-feira (6), para evitar reignição no Parque das Mangabeiras, em BH. #Itatiaia https://www.itatiaia.com.br/noticia/s...

    Acessar Link