Notícias

Guedes defende criação de imposto digital, mas depois diz que ideia está 'extinta'

Ministro afirmou que o imposto seria uma forma de reduzir encargos cobrados das empresas sobre salários dos funcionários e garantir mais empregos para a população vulnerável

Por Estadão Conteúdo, 29/10/2020 às 17:19
atualizado em: 29/10/2020 às 19:59

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Após passar horas defendendo a criação de um novo imposto sobre pagamentos como forma de reduzir os encargos cobrados das empresas sobre os salários dos funcionários, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a ideia do novo tributo pode ser declarada “extinta”.  

“Para pacificar a véspera de eleição cheguei a dizer que desistia de imposto sobre pagamentos. Quem sabe eu tenho que parar de falar isso mesmo, já perdi um secretário (da Receita Federal, Marcos Cintra) por causa disso. Quero declarar que esse imposto está morto, extinto”, afirmou, em audiência pública na Comissão Mista do Congresso Nacional para o acompanhamento de medidas contra a covid-19, nesta quinta-feira, 29.

“Do meu ponto de vista esse imposto está morto. Não tem imposto nenhum. Em consequência disso não posso apoiar nenhuma desoneração, sem esse recurso”, enfatizou. Guedes mais uma vez afirmou que o imposto sobre pagamentos seria uma forma de aumentar a empregabilidade para a população mais vulnerável que, segundo ele, não tem lobby para pedir desoneração em Brasília.

“O privilégio de apoiar uma desoneração dos salários sem fonte de receitas é do Congresso, eu não posso apoiar isso. A resposta quem tem é o Congresso, eu sou só uma ferramenta empurrada de um lado para outro”, completou. 

Ele voltou a negar relação do possível novo imposto com a antiga Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF). A CPMF foi um imposto que existiu até 2007 para cobrir gastos do governo federal com projetos de saúde - a alíquota máxima foi de 0,38% sobre cada operação. Em 2015, o governo, então sob comando da presidente Dilma Rousseff, chegou a propor a volta do tributo, mas isso acabou não acontecendo.  

"As pessoas nem entenderam que tem um futuro digital chegando. O Brasil é a terceira ou quarta maior economia digital do mundo. Nós vamos ter que ter um imposto digital mesmo", disse o ministro, minutos antes de declarar a 'morte' do novo imposto. 

A assessora especial do Ministério da Economia, Vanessa Canado, já disse que o novo imposto sobre transações, que o governo tem tentado desvincular da antiga CPMF, não incidirá somente sobre transações digitais, mas sobre "todas as transações da economia".   

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    O #itatiaianãoperdeclássico desta quarta-feira conta a história de um Atlético e Cruzeiro ocorrido no dia 2 de dezembro. O ano escolhido foi 2012, com os clubes se enfrentando...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Medida foi tomada devido ao aumento no número de casos e mortes por coronavírus. #Itatiaia

    Acessar Link