Ouça a rádio

Compartilhe

Greve do metrô de Belo Horizonte deixa pontos de ônibus lotados nesta segunda-feira

Reportagem da Itatiaia acompanha drama do trabalhador que tenta chegar ao serviço

Clever Ribeiro/Itatiaia
Foto: Clever Ribeiro/Itatiaia

A greve dos funcionários do metrô de Belo Horizonte, retomada nesta segunda-feira (21), deixa estações e pontos de ônibus da capital e de cidades da Grande BH lotados. A reportagem da Itatiaia acompanha o drama do trabalhador que tenta chegar ao serviço.  

Na estação Eldorado, em Contagem, as filas são enormes, dando voltas pelo terminal. Sem o metrô, o ônibus passa a ser a única alternativa para vários trabalhadores. Quem tem condição de acionar aplicativos de transportes encontra dois problemas: preço bem acima do normal e dificuldade para encontrar motoristas.  

Os metroviários entraram em greve para pressionar o governo federal a atender aos pedidos da categoria referentes à privatização da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Mesmo com a liminar da Justiça que determina o funcionamento em horários de pico, das 5h30 às 10h e das 16h30 às 20h, a categoria mantém a circulação das 10h às 17h. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Ra´dio Itatiaia (@itatiaiaoficial)

O que diz a CBTU

Por meio de nota, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) informou que o horário de 10h às 17h, definido pelos metroviários em assembleia para cumprimento de escala mínima durante a greve, vai na contramão da Ordem Judicial em vigor, que determina a escala mínima do sistema nos horários de pico, de 5h30 às 10h e das 16h30 às 20h. 

"A CBTU-BH transporta mais de 100 mil usuários em dias úteis e a Companhia estima que aproximadamente 70 mil usuários sejam prejudicados com a escala definida pelos metroviários", complementou.

"Acerca das reivindicações da categoria, objeto da deflagração da presente greve, inclusive sobre o futuro dos mais de 1500 funcionários efetivos da Empresa, a CBTU frisa, mais uma vez, que o processo de desestatização está sendo conduzido pelos Ministérios da Economia e do Desenvolvimento Regional. Assim, as demandas relativas ao processo devem ser endereçadas àqueles entes", concluiu a CBTU em nota.

*Com informações de Clever Ribeiro e Ailton do Vale