Ouça a rádio

Compartilhe

Brasil fica fora da lista de países que devem receber genéricos do comprimido da Pfizer

Pílula deve ser ingerida pelo paciente em combinação com medicamento antiviral

Pixabay
Foto: Pixabay

A farmacêutica norte-americana Pfizer, responsável pela vacina anticovid-19 Cominarty, assinou um acordo de licenciamento para permitir que 95 países tenham acesso mais amplo à nova pílula experimental contra o novo coronavírus.

Fabricantes de genéricos destes países vão poder fabricar a pílula, que deve ser ingerida pelo paciente em combinação com um medicamento antiviral mais antigo, o ritonavir.

O Brasil ficou de fora do acordo, o que obriga o país a comprar o comprimido diretamente da fabricante Pfizer, provavelmente a valores mais altos. Os vizinhos Bolívia e Venezuela foram incluídos, além de países como Afeganistão, Haiti, Etiópia e Índia.