Ouvindo...

Times

Condenação de Juan Darthés: vítima de estupro diz que ‘já tinha perdido a fé na Justiça’

Thelma Fardin era amiga de elenco do ator argentino, que tem dupla cidadania e mudou-se para o Brasil após ser alvo de uma ordem de prisão emitida pela Interpol

Em coletiva, a atriz Thelma Fardin desabafou sobre a condenação do ator argentino Juan Darthés a seis anos de prisão por estupra-lá em 2009, quando ela tinha 16 anos. À época, o acusado tinha 45 anos, segundo a advogada da vítima. A decisão foi proferida pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região de São Paulo.

“É um dia de muitas emoções, estou muito mexida”, disse Thelma Fardin. “Esse é um cenário para o qual eu não estava preparada, porque já havia perdido a fé na Justiça. Esta frase tem que ser uma mensagem de esperança para todos que sofrem algum tipo de abuso”, disse Fardin ao Por La Nacion.

A condenação é reflexo da denúncia que a atriz fez na Nicarágua, em 2018, por um episódio de estupro que aconteceu em 2009, durante uma turnê teatral. O ator responderá pelo crime em regime semiaberto, o que significa que poderá sair da prisão durante o dia, mas terá que retornar para prisão todas as noites.

A coletiva aconteceu por meio da Anistia Internacional Argentina, da qual participaram Fardin, a vice-diretora da Anistia Internacional Argentina, Paola García Rey. Também participaram a advogada da atriz perante a Justiça brasileira, Carla Andrade Junqueira, e o advogado de Fardin na Argentina, Martín Arias Duval.

“Quero agradecer a todas aquelas pessoas que ousaram falar, há muitos anos, depois daquela coletiva de imprensa onde fiz a minha reclamação. Obrigado, porque foi esse enorme movimento que nos permitiu estar aqui hoje, apesar de todos os obstáculos que foram colocados na roda. Obrigado à minha equipe de advogados, por confiarem na minha palavra, por acreditarem em mim, por munirem-se”, disse Fardin.

A artista acredita na condenação de Darthés como uma mensagem de esperança a outras vítimas.

“Mesmo que meu caso tenha sido julgado hoje, não é a realidade da maioria dos casos. É por isso que, hoje, esta frase deve ser uma mensagem de esperança para todas aquelas pessoas que ainda sofrem algum tipo de abuso. Tem que ser uma esperança para que, mesmo que achem que é muito difícil, que a pessoa que têm de denunciar é muito poderosa e tem muitas ferramentas, há possibilidade de reparação — acrescentou a atriz: — Me disseram para esperar e ver o que a Justiça diria, e finalmente a Justiça diz que ele é culpado. Finalmente, a Justiça ouve a minha palavra e, ao acreditar em mim, acredita em muitas outras”.

Denúncia e ataques

Em dezembro de 2018, Fardin, com o coletivo Actrices Argentinas, tornou pública sua denúncia de abuso sexual agravado contra Darthés, por um evento que teria ocorrido na Nicarágua quando ela tinha 16 anos e ele 45, enquanto ambos participavam de uma turnê da peça Patito Feo.

O ator nega ter cometido o crime. O caso foi revelado pela atriz como parte do movimento #MeToo na Argentina. Depois da denúncia, ele se mudou para o Brasil.

Segundo a atriz, o colega da produção a forçou a fazer sexo no hotel em que estavam. “Uma noite começou a beijar meu pescoço, e eu disse que parasse. Então ele agarrou minha mão e me disse: ‘Veja como você me deixa’”, afirmou a jovem, em 2018. “Me jogou na cama, baixou meu short e me fez sexo oral. Segui dizendo que não. Subiu em cima de mim e me penetrou. Neste momento, alguém bateu à porta e eu pude sair do quarto do hotel”.

Condenação

A Justiça brasileira condenou o ator argentino Juan Darthés a seis anos de prisão no regime semiaberto nessa segunda-feira (10). Em maio do ano passado, Darthés havia sido absolvido pela 7ª vara Criminal Federal de São Paulo, mas Fardin recorreu, e o ator acabou condenado na segunda instância. Ele ainda pode recorrer.

A Anistia Internacional da Argentina divulgou em suas redes sociais a notícia sobre a condenação de Darthés. “Os juízes enviaram uma mensagem clara de justiça. Passo firme na luta pelos direitos das vítimas de violência sexual e de gênero”, escreveu a ONG, no X, antigo Twitter.

“Dois dos três juízes intervenientes afirmaram que existem provas suficientes para comprovar os fatos relatados pela atriz. Vencemos uma batalha importante: quebrar o silêncio. Esta decisão marca um precedente histórico”, acrescentou a Anistia Internacional.

Outras denúncias

Meses antes da denúncia de Fardín, outras três mulheres já haviam relatado episódios de assédio sexual envolvendo o ator argentino. Atualmente, existe contra o ator uma ordem de prisão emitida pela Interpol a pedido da Justiça da Nicarágua. A Constituição proíbe a extradição de brasileiros nascidos no país. No entanto, o Ministério Público Federal de São Paulo denunciou o ator pelo crime de estupro em abril de 2021, afirmando que “o Brasil possui jurisdição para o processamento e julgamento dos fatos descritos na denúncia, imputados a brasileiro nato e consumados na Nicarágua”. Em novembro de 2021, após o trabalho dos ministérios públicos do Brasil, Argentina e Nicarágua, Darthés começou a ser julgado.

Leia também


Participe dos canais da Itatiaia:

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), já trabalhou na Record TV e na Rede Minas. Atualmente é repórter multimídia e apresenta o ‘Tá Sabendo’ no Instagram da Itatiaia.
Leia mais