Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Nova York registra neve após quase dois anos em meio à onda de frio; veja imagens

De acordo com o Serviço Meteorológico dos Estados Unidos, não nevava na cidade há 701 dias

neve nova york

Às 07h do horário local (9h em Brasília), havia pelo menos 3,5 cm de neve acumulada no Central Park, um dos principais pontos turísticos de Nova York

Reprodução/Redes Sociais/@nycgov

A cidade de Nova York, nos Estados Unidos, amanheceu coberta por uma fina camada de neve nesta terça-feira (16). A paisagem branca encerra um período de quase dois anos sem nevar na cidade. O Serviço Meteorológico dos Estados Unidos (NWS na sigla em inglês) anunciou, na rede social X (antigo Twitter), que a “longa série” de 701 dias sem uma “polegada (2,5 cm) de neve no Central Park havia encerrado.

Às 07h do horário local (9h em Brasília), havia pelo menos 3,5 cm de neve acumulada no Central Park, um dos principais pontos turísticos de Nova York. O local é usado como referência para medir a queda de neve na megalópole de 8,5 milhões de habitantes. Outros condados de Nova York, como o Brooklyn, também amanheceram cobertos de neve, como acontecia nos invernos rigorosos, antes que a mudança climática começasse a alterar as estações.

No Natal de 2022, “a tempestade do século” causou mais de um metro de neve no norte e oeste do estado de Nova York, deixando dezenas de mortos, sobretudo na cidade de Buffalo, na fronteira com o Canadá.

Nesta terça, a queda de neve provocou algumas perturbações no trânsito e o fechamento de escolas no norte do estado e no condado residencial de Westminster.

Veja imagens da nevasca:

Onda de Frio

Os Estados Unidos vivem uma onda de frio até a próxima quinta-feira (18), quando as temperaturas devem voltar a subir. Porém, no próximo fim de semana, a previsão é que ela caia novamente no leste do país. Até o momento, pelo menos nove pessoas morreram devido ao frio intenso, que atingiu vários estados.

A onda de frio foi chamada de “Artic blast” (“rajada do Ártico”, em tradução livre). Algumas regiões dos estados do Oregon, Idaho e Utah chegaram a registrar -30°C. As nevascas, fortes chuvas e frio extremo já afetaram a vida de mais de 40 milhões de norte-americanos.

No nordeste do país, moradores tiveram de deixar suas casas em razão de inundações. Mais de 1,2 mil voos foram cancelados no sábado, regiões do país ficaram sem energia elétrica e um jogo da NFL, a liga de futebol americano, que aconteceria no Estado de Nova York foi cancelado.

Em Iowa , no meio-oeste americano, o termômetro chegou a marcar -17°C e a sensação térmica chegou a -42°C com o vento gelado em algumas regiões. As principais vias da capital do Estado, Des Moines, ficaram intransitáveis, em razão da neve.

O sul do país recebeu alerta sobre as temperaturas baixas - que devem continuar ao longo da semana. Em Oaklahoma, a previsão é de -31°C, e autoridades pedem que os moradores evitem atividades ao ar livre. Louisiana e Arkansas foram colocados em estado de atenção. O Texas chegou a registrar -12°C ao meio-dia de sábado.

O lado oeste dos EUA também sofre com o frio extremo. Alerta de tempestade de inverno, baixas temperaturas, neves e possível chuva congelante foram disparados aos moradores de Wyoming, Oregon, norte da Califórnia, Colorado, Nevada, Utah e Alasca. Em Montana, temperaturas de até -45°C eram aguardadas.

Mais de 1,2 mil voos foram cancelados nos EUA no sábado. Outros 4,3 mil decolaram com atraso, segundo o site de rastreamento FlightAware.

*Com informações da AFP e Estadão Conteúdo

Leia mais