Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Filipe Luís abre o jogo sobre relação entre Tite e Gabigol no Flamengo

Ex-lateral do Rubro-Negro falou sobre uma possível tensão entre o treinador e o camisa 10

6170186925098.jpg

Paula Reis/Flamengo

Ídolo do Flamengo, Filipe Luís está oficialmente aposentado do futebol. O ex-lateral esquerdo, que fez sua última temporada como profissional em 2023, esteve no Charla Podcast e abriu o jogo sobre bastidores do ambiente no clube rubro-negro.

Questionado entre uma possível tensão entre Tite e Gabigol, Filipe foi direto ao ponto: “Tenho certeza que não é o caso”. No entanto, o ex-jogador falou sobre a possibilidade de um desentendimento e afirmou que, nestes casos, o ego deve ser deixado de lado.

“O Gabi está com essa dor no adutor, e o Tite pediu falou ‘por favor eu preciso de você. Vem pro banco, joga se der para jogar’. Não acho que tem essa rusga”, afirmou.

“Por mais que tenha, se o Gabi estiver bem e fazendo gol, vão acabar se abraçando. Se você não deixar o seu ego, o seu lado pessoal de lado, para o bem da equipe, você não dá certo. Por mais que isso pudesse acontecer, eu tenho certeza que não é o caso, só depende do Gabi competir pela posição e fazer gols”, concluiu.

Números de Gabigol em 2023

A temporada do camisa 10 esteve longe das expectativas que cercavam Gabriel. No Brasileirão, o atacante disputou 26 jogos e marcou apenas 5 gols, além de uma assistência. O aproveitamento na conversão de chances claras foi de 31%.

Em números gerais, foram 58 jogos, 20 gols e 4 assistências em 2023, o menor número desde 2019, ano em que chegou ao Flamengo. Para efeito de comparação, na temporada passada o jogador marcou 31 gols e contribuiu com 5 assistências em 65 partidas.

Temporada abaixo do esperado

Início, meio e fim: a temporada do Flamengo não ocorreu conforme a expectativa em nenhum momento. O Flamengo iniciou o ano com Vítor Pereira, e a frustração foi imediata. Com pouco tempo para colocar seu trabalho em prática, o técnico logo amargou os vices da Supercopa do Brasil, da Recopa Sul-Americana e a queda na semifinal do Mundial de Clubes. O sonho de conquistar o “mundo de novo” não terminou bem.

O vice do Carioca - perdendo de 4 a 1 para o Fluminense após vencer o primeiro jogo da decisão - marcou o fim da passagem do português. Com a chegada de Jorge Sampaoli, renovou-se a esperança, mas as atuações do Flamengo seguiram inconsistentes.

As frequentes mudanças do treinador, a difícil relação no dia a dia - tendo a agressão a Pedro por um membro da comissão técnica - e a queda precoce na Libertadores já deixavam claro que a escolha da diretoria, outra vez, não tinha funcionado.

Contudo, com o aval de Rodolfo Landim, Sampaoli foi bancado até a decisão da Copa do Brasil, quando os jogadores, mais uma vez, não apresentaram o futebol esperado, amargando o quarto vice na temporada, para o São Paulo. Longe da briga pelo título brasileiro, o Flamengo optou, então, por demitir o técnico argentino.

Jornalista em formação na UFMG. Apaixonado por futebol e esportes em geral.
Leia mais