Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Surfistas do grupo de Pedro Scooby precisaram de bateria de exames após resgates no RS; entenda motivo

Scooby revelou que um dos atletas do grupo precisou ser hospitalizado ao retornar para o Rio de Janeiro com a conclusão dos resgates

O surfista Pedro Scooby revelou que dois dos surfistas que ajudaram a resgatar vítimas das enchentes que atingem o Rio Grande do Sul (RS) foram diagnosticados com a gripe H1N1, sendo que um deles precisou ser hospitalizado. Após ter contato com a água contaminada do local, o grupo precisou ser submetido a uma bateria de exames.

Segundo relatado pelo Dr. Gustavo Nogueira, que também auxiliou o grupo de surfistas, eles precisavam “recuperar energias para próxima missão”. O médico listou, além de um check up, que o grupo precisava fazer hemogramas e checar índices como PCR (Proteína C Reativa), VHS (Velocidade de Hemossedimentação), TGP (Transaminase Glutâmico Pirúvica), creatinina, ureia e CPK (creatinofosfoquinase).

Os exames serviriam para diagnosticar qualquer tipo de inflamação ou infecção no corpo dos voluntários, que também precisariam se atentar para lesões na pele, principalmente nos membros inferiores, e ficar atentos com a aparição de pus e com sinais de febre. Em casos de sintomas, eles deveriam testar para leptospirose e hepatite.

Através das redes sociais, Scooby explicou que precisou tomar duas vacinas, uma antitetânica e outra contra a Hepatite A, ao retornar do Rio Grande do Sul. O surfista, que já está no Rio de Janeiro, aproveitou também para enaltecer o trabalho feito pela esposa, a modelo gaúcha Cíntia Dicker, em prol dos atingidos pela chuva no estado natal.

Leia também

Riscos do contato com água contaminada

Em entrevista à Itatiaia, o infectologista Cristiano Galvão, da Onconclínicas Belo Horizonte, relatou que um dos maiores problemas das enchentes está em levar lixo e água contaminada para dentro das casas. “Elas levam lixo, lama e água de esgoto, o que gera a contaminação da água, além da inundação do ambiente que está contato com a pele das pessoas”, explicou.

A falta de água própria para consumo é outro ponto que pode contribuir para o aumento de doenças durante e após enchentes. “A ingestão de água contaminada é a principal causa de doenças, como cólera, hepatite A, giardiase, amebíase, leptospirose”, pontuou.

Entre as doenças que as pessoas que estão em contato com as águas da enchente podem contrair, além das citadas anteriormente, estão a dengue, febre tifoide e tétano. Quando chegaram ao estado atingido por enchentes, o grupo de surfistas chegou a ser medicado contra leptospirose.

“Para quem não sabe, a água que a gente entra tem bicho morto, passou gente morta, tem milhões de bactérias, meu pé está cheio de pereba [sic] por sinal”, relatou Scooby durante os resgates. O surfista deixou o local no último sábado (11), assim como o restante do grupo.

Grupo de surfistas apoiou resgates no RS

Scooby e surfistas, como Lucas Chumbo, Ian Consenza e Iankel Noronha, chegaram ao estado na segunda-feira (6) da semana passada e foram embora no sábado (11). Conforme o ex-BBB, apenas na terça (7), 1 mil pessoas foram resgatadas por ele, surfistas e outros voluntários.

Na quarta (8), as buscas precisaram ser interrompidas mais cedo por causa da chuva. Horas depois, Scooby mostrou que os jet-skis estavam com buracos e arranhões, e contou com apoio para fazer as devidas manutenções para que eles pudessem voltar para a água.

Com informações de Patrícia Marques e Ana Luisa Sales


Participe dos canais da Itatiaia:

Maria Clara Lacerda é jornalista formada pela PUC Minas e apaixonada por contar histórias. Na Rádio de Minas desde 2021, é repórter de entretenimento, com foco em cultura pop e gastronomia.


Leia mais