Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Simões diz que PT ser contra plano de Zema é defender ‘cano ao próprio governo Lula’

Vice-governador de Minas Gerais, Mateus Simões, afirmou que oposição política ao plano de Recuperação Fiscal pode prejudicar o governo federal

O vice-governador de Minas Gerais, Mateus Simões (Novo), afirmou que várias lideranças do PT em Minas estão agindo de forma responsável ao defender o diálogo sobre a adesão do estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) proposto pelo governador Romeu Zema (Novo).

Apesar de deputados do PT na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) criticarem o plano do governo de Minas e prometerem obstruir sua aprovação, outros nomes da sigla - como da prefeita de Contagem, Marília Campos, e o deputado Reginaldo Lopes - admitiram a necessidade de se discutir alguma solução para a dívida do estado.

Algumas posições de Marília, inclusive, já geraram críticas internas no PT, com os deputados Ulysses Gomes e Cristiano Silveira, presidente estadual do partido, rebatendo aos correligionárias publicamente.

Veja mais: Zema quer aval da ALMG a Regime de Recuperação Fiscal até dezembro

Em entrevista à Itatiaia, Simões afirmou que uma ala do PT age de maneira responsável e que o diálogo sobre a adesão vai garantir a arrecadação até do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Nesse momento o PT age de forma responsável como titular da cadeira federal. Afinal, nossos credores são eles mesmos, os bancos federais e o governo federal, então, se o PT se coloca contra o pagamento da dívida, ele está dizendo que nós devemos dar o cano no próprio governo federal do PT. Então, me parece um momento de lucidez importante do PT e a prefeita Marília Campos e o deputado Reginaldo Lopes, são políticos de coerência em suas falas e estão defendendo que nós devemos enfrentar a questão do plano de recuperação fiscal e aprová-lo. Agora, eles sabem que nós vamos continuar crescendo ao longo do tempo”, afirmou Simões.

O vice-governador afirmou que a adesão ao RRF vai dar um tempo maior para que o estado equilibre suas finanças e volte a conseguir crescer mais do que os juros da dívida.

“Eu tenho a expectativa de que a gente vai continuar crescendo na indústria e no agronegócio. Com esses dois motores, nossa arrecadação vai conseguir evoluir mais do que nossa dívida tem evoluído. Para isso nosso desafio é conseguir crescer mais de 4% ao ano, que é o que o governo federal cobra de juros por ano. A conta é muito simples: tenho um débito e ele é corrigido pela inflação mais 4%. Se eu cresço menos do que 4%, aquele débito todo ano fica mais representativo dentro do meu orçamento. Então, tem coerência a fala do deputado e da prefeita, continuando atraindo investimentos, com uma indústria e agronegócio continuando a crescer, vamos ir colocando a casa em ordem”, explicou Simões.

Editor de Política. Formado em Comunicação Social pela PUC Minas e em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Já escreveu para os jornais Estado de Minas, O Tempo e Folha de S. Paulo.
Repórter de política na Rádio Itatiaia. Começou no rádio comunitário aos 14 anos. Graduou-se em jornalismo pela PUC Minas. Em Belo Horizonte, teve passagens pelas rádios Alvorada, BandNews FM e CBN. No Grupo Bandeirantes de Comunicação, ocupou vários cargos até chegar às funções de âncora e coordenador de redação na BandNews FM BH. Cobriu as tragédias ambientais da Samarco, em Mariana, e da Vale, em Brumadinho. Vencedor de 8 prêmios de jornalismo. Em 2023, venceu o Prêmio Nacional de Jornalismo CNT.
Leia mais