Ouça a rádio

Compartilhe

STF prorroga investigação contra Bolsonaro por incitar descumprimento de medidas sanitárias

Decisão atende pedido da Polícia Federal que quer mais tempo para apurar acusações feitas pela CPI da Covid

CPI da Covid acusou Bolsonaro de incitar população a descumprir medidas sanitárias

A investigação da Polícia Federal que apura se o presidente Jair Bolsonaro (PL) incitou a população a descumprir medidas sanitárias durante a pandemia foi prorrogada por mais 60 dias. A decisão, do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), atende a um pedido da própria PF e tem origem no relatório da CPI da Covid, aberta no Senado no ano passado.

De acordo com o texto, Bolsonaro e outros agentes públicos teriam incitado a população a cometer crime de infração de medida sanitária preventiva, seja com a disseminação de desinformação sobre uso de máscara e do isolamento social, a eficácia da vacina ou a imunidade de rebanho.

A investigação também abrange aliados do presidente, como o filho dele, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), dos deputados federais Eduardo Bolsonaro (PL-RJ), Carla Zambelli (PL-SP), Beatriz Kicis (PL-FF), Osmar Terra (MDB-RS), Ricardo Barros (PP-PR) e Carlos Jordy (PL-RJ) e do então ministro Onyx Lorenzoni.

Conforme a Polícia Federal, a necessidade de mais tempo para continuar as apurações é justificada pela necessidade de sistematizar a documentação que consta da CPI da Covid que irá subsidiar um eventual pedido de instauração de inquérito, arquivamento ou oferecimento de denúncia contra os indiciados. A Procuradoria-Geral da República (PGR) manifestou-se favoravelmente à prorrogação do prazo.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store