Ouça a rádio

Compartilhe

Joe Biden recebe pedido para se posicionar por eleições livres no Brasil

Presidente dos Estados Unidos e Jair Bolsonaro vão se encontrar nesta semana 

Casa Branca tem evitado se posicionar sobre situação política do Brasil

Na semana da primeira reunião bilateral entre Jair Bolsonaro (PL) e Joe Biden, o presidente americano recebeu pedido de ativistas para que se posicione a favor da democracia e pela realização de eleições livres no Brasil, além da proteção à Floresta Amazônica. Nessa terça-feira (7), Bolsonaro voltou a lançar dúvidas sobre a legitimidade da eleição americana de 2020, que conduziu Biden à Casa Branca.

"Quem diz (sobre fraude nos EUA) é o povo americano. Eu não vou entrar em detalhe na soberania de um outro país. Agora, o (Donald) Trump estava muito bem e muita coisa chegou para a gente que a gente fica com pé atrás", disse Bolsonaro nessa terça-feira (7), em entrevista ao SBT.

Em uma carta assinada por 71 organizações, como o Greenpeace Brasil, ativistas pedem ao presidente americano que se posicione firmemente a favor da democracia, eleições livres, ação climática e proteção essencial para a Floresta Amazônica. Um grupo menor de ativistas climáticos organiza um protesto contra Bolsonaro para a manhã de quarta-feira (8), na frente da prefeitura de Los Angeles.

A Casa Branca tem evitado comentar quais serão os assuntos do encontro entre os dois presidentes. "Obviamente também temos alguns desentendimentos com o presidente e o governo do Brasil que também serão objeto do que, tenho certeza, será uma conversa franca entre os dois líderes. Francamente, é disso que tratam as relações internacionais. E acho que ninguém deveria ficar chocado com o fato da reunião (existir). Em nossa opinião, é muito do nosso interesse fazer isso e estamos ansiosos pela conversa", afirmou a fonte, antes de Bolsonaro voltar a colocar em xeque o resultado da eleição americana de 2020.

Dom Phillips e Bruno Pereira

O desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira passa a ser um foco de tensão para o encontro. A Casa Branca passou a ser pressionada para que o democrata cobre o brasileiro sobre as buscas e investigações a respeito do caso.

A líder indígena Sonia Guajajara comunicou John Kerry, ex-secretário de Estado dos EUA e principal assessor de Biden para questões ambientais, sobre o assunto e divulgou trecho da conversa em vídeo publicado em suas redes sociais. "Pedi o apoio dele para proteger a Floresta Amazônica, mas, mais importante, para pressionar o governo brasileiro sobre as buscas", escreveu Sonia, em uma publicação em inglês.

"Estou muito preocupado com a segurança de Dom Phillips, um respeitado jornalista, e Bruno Araújo Pereira, um indigenista, na Amazônia brasileira. As autoridades brasileiras devem urgentemente procurar por eles", publicou o deputado democrata Raul Grijalva, representantes da ala autointitulada como progressista dentro do partido de Biden.

Para esta ala do partido, Bolsonaro é considerado um político antidemocracia e contrário aos direitos das minorias. O grupo já acionou a Casa Branca diversas vezes pedindo para que os EUA recusem acordos com o governo Bolsonaro. O encontro de Biden com o brasileiro acontecerá a despeito das resistências. A reunião bilateral foi oferecida pela Casa Branca para convencer Bolsonaro a viajar aos EUA e evitar que os americanos sediassem um evento esvaziado.

O presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, deputado democrata Gregory Meeks, expressou preocupação com o desaparecimento de Phillips e Pereira. "Profundamente preocupado com o desaparecimento relatado de @DomPhillips e Bruno Pereira no Brasil esta semana. Junto-me ao povo brasileiro e à comunidade internacional para pedir uma ação rápida para encontrá-los o mais rápido possível", escreveu Meeks.

A repercussão internacional a respeito do caso na Amazônia acontece no mesmo dia em que o governo americano realiza eventos e declarações em prol da defesa de uma imprensa livre, no âmbito da Cúpula das Américas. Um dos eixos programáticos de Washington para este evento, do qual Bolsonaro fará parte, é o compromisso com a proteção de jornalistas. A Casa Branca listou a promoção da mídia independente em um relatório de atos previstos para os dias da Cúpula. Neste tópico, segundo a Casa Branca, o Brasil, ao lado de outros oito países e dos EUA, concordou em trabalhar para resolver os ataques contra a imprensa e "os esforços para calar vozes críticas".

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido