Ouça a rádio

Compartilhe

Bolsonaro volta a atacar sistema eleitoral e indica infiltração de hackers no TSE

Presidente afirmou que os ministros Moraes, Fachin e Barroso "não aceitam participação de fora" no processo eleitoral

Presidente concedeu entrevista ao vivo para o Canal Terraviva

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a questionar e legitimidade do sistema eleitoral brasileiro, e afirmou que um grupo de hackers esteve dentro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por meses. As declarações foram dadas em entrevista ao Canal Terraviva nesta segunda-feira (6).

"O grande problema que tem pela frente é a desconfiança do processo eleitoral. Não sou eu que falo isso. São documentos do próprio TSE. Descobriu-se depois das eleições que um grupo de hackers ficou por oito meses dentro do TSE, inclusive usando as senhas do ministro", afirmou o presidente.

Segundo Bolsonaro, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu inquérito para investigação, que teria sido aberto pela Polícia Federal. "Seis meses depois, o TSE informou que os logs foram apagados por empresa terceirizada que fazia manutenção dos computadores. Até hoje não se sabe o nome dessa empresa e o inquérito não foi fechado. O que aumenta a suspeição: a forma como Alexandre de Moraes, Fachin e Barroso agem", completou.

O presidente afirma que os ministros citados não aceitam "participação de fora" no processo eleitoral, e pontuou que as Forças Armadas levantaram vulnerabilidades, além de terem apresentado sugestões. "O TSE acolheu as menos importantes, não aceita discutir as outras e vai pro embate. O candidato que duvidar eu casso o registro e prendo, disse o Alexandre", disse.

Bolsonaro voltou a citar o voto impresso como "ideal", mas disse que não vai mais tocar no assunto. Ele defende que as Forças Armadas façam apuração paralela das eleições, conferindo os votos em uma sala onde apenas eles teriam acesso.

As declarações acontecem menos de um mês depois que o presidente do TSE, ministro Edson Fachin, afirmar que o que cabe às Forças Armadas é o "acompanhamento" das eleições.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido