Ouça a rádio

Compartilhe

Soldados descrevem o front da guerra no leste da Ucrânia: 'Inferno na terra'

Região de Donbass é marcada por conflitos tensos, nas quais soldados têm membros decepados e cidades queimadas até o chão

Donbass parece 'inferno na Terra', relatam soldados

Florestas incendiadas e cidades queimadas até o chão. Colegas com membros decepados. Bombardeios tão implacáveis que a única opção é deitar em uma trincheira, esperar e rezar.

Soldados ucranianos que retornam das linhas de frente na região de Donbass, no leste da Ucrânia - onde a Rússia está travando uma ofensiva feroz - descrevem a vida durante o que se transformou em uma extenuante guerra de atrito em apocalíptica.

Em entrevistas à Associated Press, alguns reclamaram de organização caótica, deserções e problemas de saúde mental causados por bombardeios implacáveis. Outros falaram do moral elevado, do heroísmo de seus colegas e do compromisso de continuar lutando, mesmo que os russos, mais bem equipados, controlem a maior parte da zona de combate.

O tenente Volodmir Nazarenko, de 30 anos, segundo em comando do Batalhão Svoboda da Guarda Nacional Ucraniana, estava com tropas que se retiraram de Severodonetsk sob ordens de líderes militares. Durante uma batalha de um mês, os tanques russos obliteraram quaisquer possíveis posições defensivas e transformaram uma cidade com uma população pré-guerra de 101 mil habitantes em "um deserto incendiado", disse ele.

"Eles nos bombardeavam todos os dias. Eu não quero mentir sobre isso. Mas eram disparos de munição em todos os prédios", disse Nazarenko.

Na época, Severodonetsk era uma das duas principais cidades sob controle ucraniano na província de Luhansk, onde os separatistas pró-Rússia declararam uma república não reconhecida há oito anos. Quando a ordem de retirada chegou, em 24 de junho, os ucranianos estavam cercados por três lados e montando uma defesa em uma fábrica de produtos químicos, que também abrigava civis.

"Se havia um inferno na terra em algum lugar, era em Severodonetsk", disse Artem Ruban, soldado do batalhão de Nazarenko, na relativa segurança de Bakhmut, cidade a 64 quilômetros a sudoeste. "A força interior de nossos meninos permitiu que eles mantivessem a cidade até o último momento."

"Essas não eram condições humanas em que eles tiveram que lutar. É difícil explicar isso para você aqui, como eles se sentem agora ou como era lá", disse Ruban, piscando sob a luz do sol. "Eles estavam lutando até o fim lá. A tarefa era destruir o inimigo, não importa o quê."

Nazarenko, que também lutou em Kiev e em outras posições ao leste depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, considera a operação ucraniana em Severodonetsk "uma vitória", apesar do resultado. Ele disse que os defensores conseguiram limitar as baixas enquanto paravam o avanço russo por muito mais tempo do que o esperado, esgotando os recursos da Rússia.

"O exército (russo) sofreu enormes perdas e seu potencial de ataque foi obliterado", disse ele.

Tanto o tenente quanto o soldado expressaram confiança de que a Ucrânia retomaria todos os territórios ocupados e derrotaria a Rússia. Eles insistiram que o moral permanecia alto. Outros soldados, a maioria sem experiência de combate antes da invasão, compartilharam relatos mais pessimistas enquanto insistiam no anonimato ou usavam apenas seus primeiros nomes para discutir suas experiências.

Oleksi, um membro do exército ucraniano que começou a lutar contra os separatistas apoiados por Moscou em 2016, havia acabado de voltar do front mancando. Ele disse que foi ferido no campo de batalha em Zolote, uma cidade que os russos também ocuparam desde então.

"Na TV, eles estão mostrando belas fotos das linhas de frente, da solidariedade, do exército, mas a realidade é muito diferente", disse ele, acrescentando que não acredita que a entrega de mais armas ocidentais mudaria o curso da guerra.

Seu batalhão começou a ficar sem munição em poucas semanas, disse Oleksi. A certa altura, o bombardeio implacável impediu que os soldados se levantassem nas trincheiras, disse ele, a exaustão visível em seu rosto enrugado.

Um assessor presidencial de alto escalão informou no mês passado que 100 a 200 soldados ucranianos estavam morrendo todos os dias mas o país não forneceu o número total de mortos em ação. Oleksi afirmou que sua unidade perdeu 150 homens durante os primeiros três dias de combate, muitos por perda de sangue.

Devido aos bombardeios implacáveis, os soldados feridos só foram retirados à noite - alguns tiveram que esperar até dois dias, disse ele.

"Os comandantes não se importam se você está psicologicamente quebrado. Se você tem um coração funcionando, se você tem braços e pernas, você tem que voltar", acrescentou.

Mariia, uma comandante de pelotão de 41 anos que ingressou no exército ucraniano em 2018 depois de trabalhar como advogada e dar à luz a uma filha, explicou que o nível de perigo e desconforto pode variar muito dependendo da localização de uma unidade e do acesso às linhas de abastecimento .

As linhas de frente que existem desde o início do conflito com os separatistas pró-Rússia em 2014 são mais estáticas e previsíveis, enquanto os lugares que se tornaram campos de batalha desde que a Rússia enviou suas tropas para invadir são "um mundo diferente", disse ela.

Mariia, que se recusou a compartilhar seu sobrenome por razões de segurança, disse que seu marido está lutando em um "hot spot". Todo mundo sente falta e se preocupa com seus entes queridos e, embora isso cause angústia, seus subordinados mantêm o ânimo alto, disse ela.

"Somos descendentes de cossacos, somos livres e corajosos. Está no nosso sangue", disse ela. "Vamos lutar até o fim."

Dois outros soldados entrevistados pela Associated Press - ex-trabalhadores de escritório em Kiev, sem experiência anterior em batalha - disseram que foram enviados para as linhas de frente no leste assim que concluíram seu treinamento inicial. Eles disseram que observaram "organização terrível" e "tomadas de decisão ilógicas", e muitas pessoas em seu batalhão se recusaram a lutar.

Um dos soldados disse que fuma maconha diariamente. "Caso contrário, eu perderia a cabeça, desertaria. É a única maneira que eu posso lidar", disse ele.

Um ex-professor de 28 anos em Sloviansk que "nunca imaginou" que lutaria por seu país descreveu os campos de batalha da Ucrânia como uma vida completamente diferente, com um sistema de valores diferente e altos e baixos emocionais.

"Há alegria, há tristeza. Está tudo interligado", disse.

A amizade com seus colegas fornece os pontos positivos. Mas ele também viu colegas soldados sucumbindo à fadiga extrema, tanto física quanto mental, e exibindo sintomas de estresse pós-traumático.

"É difícil viver sob estresse constante, privado de sono e desnutrido. Ver todos aqueles horrores com seus próprios olhos - os mortos, os membros arrancados. É improvável que a psique de alguém possa suportar isso", disse ele.

No entanto, ele também insistiu que a motivação para defender seu país permanece.

"Estamos prontos para resistir e lutar com os dentes cerrados. Por mais duro e difícil que seja", disse o professor, falando de uma loja de pesca que foi convertida em um centro de distribuição militar. "Quem defenderá minha casa e minha família se não for eu?"

Militar ucraniano dorme em um abrigo não muito longe de sua posição no front da cidade de Severodonetsk, em Luhansk, em 19 de junho.

Militar ucraniano dorme em um abrigo não muito longe de sua posição no front da cidade de Severodonetsk, em Luhansk, em 19 de junho. Foto: Oleksandr Ratushniak/ EFE

O centro na cidade de Sloviansk fornece às unidades militares locais equipamentos e provisões, e dá aos soldados um lugar para onde ir durante breves pausas da rotina física e horrores da batalha.

Tetiana Khimion, uma coreógrafa de dança de 43 anos, montou o centro quando a guerra começou. Todos os tipos de soldados passam, diz ela, desde forças especiais habilidosas e veteranos endurecidos pela guerra até civis transformados em combatentes que se alistaram recentemente.

"Pode ser assim: pela primeira vez ele vem, sorri largamente, pode até ser tímido. Na próxima vez que ele vier, há um vazio em seus olhos", disse Khimion. "Ele passou por algo, e ele é diferente."

Atrás dela, um grupo de jovens soldados ucranianos em rotação das linhas de frente estão sentados compartilhando piadas e uma pizza. O baque da artilharia pode ser ouvido a alguns quilômetros de distância.

"Principalmente eles esperam o melhor. Sim, às vezes eles chegam um pouco tristes, mas esperamos animar seus espíritos aqui também", disse Khimion. "Nós nos abraçamos, sorrimos um para o outro e depois eles voltam para os campos."

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store