Ouça a rádio

Compartilhe

Julgamento do caso Twitter-Musk começa em outubro

Apesar dos esforços do empresário para adiá-lo, chanceler aprovou opção acelerada

Plataforma conseguiu obter julgamento acelerado

Elon Musk teve sua primeira derrota no conflito com o Twitter: Kathaleen McCormick, chanceler do Tribunal de Chancelaria de Delaware, decidiu que a disputa tenha julgamento acelerado. Ela atende ao pedido do Twitter, que busca obrigar o empresário a comprar a plataforma por US$ 44 bilhões, como combinado. 

O encontro dos envolvidos perante a Justiça vai ocorrer em outubro, em um julgamento de cinco dias. Durante a audiência, Bill Savitt, do escritório Wachtell, Lipton, Rosen & Katz, que representa o Twitter, disse que um cronograma rápido é fundamental para interromper os danos que a rede social tem sofrido em razão da incerteza em relação à operação. 

Andrew Rossman, da Quinn Emanuel, que defende Musk, argumentou que o cronograma acelerado é muito agressivo para que sua equipe revise os dados do Twitter para verificar a porcentagem de contas falsas na plataforma. Ele acusa o Twitter de continuar a manter esse número em segredo e não fornecer as informações pedidas por Musk à empresa.

Savitt, por sua vez, aponta que Musk tenta adiar o julgamento para deixar pouco tempo para apelações antes que os compromissos de dívida para financiar o acordo expirem. Segundo ele, determinar o percentual de robôs não é necessário neste caso, já que “nada no acordo de fusão gira em torno dessa questão”.

Entenda o caso

Musk procurou a plataforma para desistir do acordo

Depois de suspender temporariamente a negociação com a plataforma em maio, Musk procurou Vijaya Gadde, diretor jurídico do Twitter, para dizer que a rede social subnotificou o número de contas falsas e não enviou informações que ajudariam o empresário a calcular essas estatísticas. Por esse motivo, ele não desejava prosseguir com a transação.

O Twitter, então, processou Musk com o argumento de que ele “se recusa a honrar suas obrigações com o Twitter e seus acionistas porque o acordo que ele assinou não atende mais a seus interesses pessoais. A plataforma buscava um julgamento de quatro dias com início em setembro.

Musk e seus advogados, então, pediram que o tribunal que negasse o pedido da rede social. Eles pediam que o encontro no tribunal ocorresse em 2023, com a justificativa de que o Twitter tinha um interesse “súbito de velocidade depois de dois meses de atraso e falta de clareza”.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store