Ouça a rádio

Compartilhe

Hulk, Raphael Veiga e Gabigol se destacam, mas são esquecidos por Tite para Copa

Trio vem ajudando Atlético, Palmeiras e Flamengo nesta temporada

Hulk tem 19 gols em 21 partidas pelo Atlético nesta temporada

Na fase de grupos da Copa Libertadores, a classificação dos três principais times do Brasil do momento veio de forma tranquila. Na rodada do fim de semana do Brasileirão, o ritmo foi mantido. Palmeiras e Atlético aparecem em primeiro lugar na classificação (juntamente com o Corinthians). O Flamengo, que soma 12 pontos, está a três dos líderes e subindo. Muito desse embalo se deve à performance de Raphael Veiga, Hulk e Gabigol. Esta boa fase, no entanto, parece não chamar a atenção do técnico Tite, que dá sinais de exclusão do trio para a definição do elenco que vai defender a seleção brasileira na Copa do Mundo a ser realizada no fim deste ano, no Catar. Gabigol é quem tem mais chance.

No domingo, o desempenho deles manteve o tom diferenciado no futebol nacional. Hulk fez um dos gols que deu a vitória de 2 a 1 ao Atlético sobre o Avaí e chegou à marca de 19 bolas na rede em 21 partidas. No clássico carioca, Gabigol decretou a virada de 2 a 1 sobre o Fluminense e chegou a 16 gols. A jornada só não foi perfeita para Raphael Veiga, apesar da vitória do Palmeiras na Vila. Ele desperdiçou um pênalti contra o Santos (o primeiro perdido em 25 cobranças), mesmo assim, ajudou o Palmeiras a vencer por 1 a 0. No ano, o meia já marcou em 16 oportunidades.

Pelas convocações de Tite, no entanto, outros nomes estão na dianteira por um posto no setor ofensivo da seleção brasileira, reunida na Coreia do Sul para um amistoso nesta semana. Vinicius Junior e Rodrygo (Real Madrid), Gabriel Jesus (Manchester City), Matheus Cunha (Atlético de Madri), Raphinha (Leeds), Richarlison (Everton) e Gabriel Martinelli (Arsenal) são algumas dessas opções, que conta ainda com Roberto Firmino (Liverpool) e, claro, o intocável Neymar.

TÃO PERTO, TÃO LONGE

Ídolo do Flamengo e principal goleador do time na temporada, Gabigol já esteve mais próximo dos planos de Tite. Vice-campeão da Copa América no ano passado, o artilheiro rubro-negro foi convocado pela última vez em janeiro deste ano para os jogos contra Equador e Paraguai pelas Eliminatórias.

Desde então, o jogador parou de frequentar as listas de convocação. Questionado sobre a ausência, Tite colocou o excesso de ofertas para a posição como justificativa. "Estamos com muitos jogadores convocados e temos uma lista larga (de candidatos)", afirmou o treinador.

Mais velho entre os três, Hulk só esteve em uma convocação deste ciclo. Mesmo assim, a chamada aconteceu por conta dos efeitos da pandemia da covid-19. Os clubes ingleses se negaram a liberar seus atletas pelo fato de o Brasil constar na lista vermelha de países com alto grau de contágio do coronavírus. Hulk esteve na Copa de 2014, quando o Brasil perdeu feio para a Alemanha na semifinal. O desfalque dos jogadores brasileiros que disputavam o Campeonato Inglês obrigou o técnico da seleção a chamar o tanque atleticano para as partidas contra Chile, Argentina e Peru, em setembro do ano passado.

Sem nunca ter sido chamado, Raphael Veiga é sempre lembrado pela sua boa fase no Palmeiras. No entanto, na visão da comissão técnica, a briga do palmeirense teria um rival com status de intocável: Neymar. Para o estafe de Tite, o craque do Paris Saint-Germain hoje é um meia-armador.

"O Raphael é um grande atleta, mas acontece que tem uma concorrência muito grande nesta função e escolhas fazem parte do processo. Mas ele segue sendo observado com chances de ser chamado", disse em entrevista à TV Gazeta. Mas isso nunca aconteceu. É provável que nem aconteça. "Minha hora vai chegar. Sigo fazendo o meu trabalho da mesma forma", disse Veiga recentemente sobre sua vontade de vestir a camisa da seleção.

REI DE MINAS DEFENDE TRIO CASEIRO

Para o ex-centroavante Reinaldo, que disputou a Copa do Mundo de 1978, na Argentina, o treinador da seleção comete uma injustiça com o trio que vem conduzindo os três principais times brasileiros na atualidade. Não leva em consideração a máxima do "melhor jogador do momento". "O Hulk, o Gabigol e o Raphael Veiga vêm bem há uns dois anos. Estão fazendo gols e ganhando títulos. São versáteis, experientes e jogam mais do que os jogadores que estão sendo chamados da Europa", decreta Reinaldo em entrevista ao Estadão.

Maior ídolo da história atleticana, Reinaldo disse não entender os critérios que são usados pela comissão técnica da CBF. "O Tite tem de ver o que eles estão fazendo aqui. Os três têm o GPS dos gols e teriam condições, inclusive, de atuar juntos no time titular. Podem jogar mais recuados ou como referência na área, ou ainda fazer a função de atacante de lado." Reinaldo citou ainda o desempenho dos três times brasileiros no Nacional para justificar a importância desses atletas num torneio tão competitivo. "Palmeiras e Atlético estão lá em cima na tabela e o Flamengo está chegando."

Um dos principais jogadores da seleção brasileira entre 1976 e 1986, o ex-meia Zico também acha que Hulk, Raphael Veiga e Gabigol atravessam excelente fase no futebol brasileiro. No entanto, ele disse ser normal essa polêmica em torno das convocações. "Isso é de cada treinador. Cada um tem suas escolhas. É verdade que de uns anos para cá tem sido prioridade chamar os jogadores que estão na Europa. Mas quem está no comando é o responsável", disse Zico, por telefone, direto do Japão ao Estadão.

Com a experiência de ter atuado na Europa como treinador (foi técnico na Grécia e na Turquia), o maior jogador da história do Flamengo afirmou que o trabalho da comissão de Tite é feito em cima de critérios. "Além da visão geral, o comandante analisa quem se encaixa melhor para a sua filosofia de jogo. Temos de respeitar isso. E em véspera de Copa essas situações são normais Lembro que o Neymar e o Ganso também viveram essa expectativa e não foram ao Mundial (de 2010, na África do Sul)."

NA LIBERTADORES, CLASSIFICAÇÃO SEM SUSTOS

Campeão e vice da última edição da Libertadores, Palmeiras e Flamengo sobraram na etapa de grupos da Libertadores. Ao cumprir 100% de aproveitamento na chave, o time paulista foi além e cravou o melhor ataque da história dessa fase da competição: foram 25 gols em seis jogos (seis deles anotados por Raphael Veiga).

Dono da terceira melhor campanha (cinco vitórias e um empate), o time carioca também garantiu a vaga por antecipação. Com três bolas na rede, Gabigol tem se mostrado versátil e nas variações testadas pelo português Paulo Sousa, agora também se destaca no meio-campo como armador. O Atlético cumpriu um roteiro parecido e com Hulk como protagonista do time (três gols). A derrapada aconteceu só na última rodada com a derrota em Belo Horizonte para o Tolima por 2 a 1. Mesmo com o revés, porém, a equipe mineira encerrou a fase de grupos em primeiro lugar na Chave D.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido