Ouça a rádio

Compartilhe

Homem tem carro sujo de urina após não dar dinheiro a flanelinha no bairro Funcionários em BH 

A vítima disse ao flanelinha que estava sem dinheiro, porém, quando saiu do trabalho, encontrou o carro molhado de urina 

Vítima disse que motoristas da região são coagidos com frequência

Um homem, de 39 anos, teve o carro sujo de urina após afirmar que não tinha dinheiro para pagar flanelinhas no bairro Funcionários, na região Sul de Belo Horizonte. Segundo ele, que preferiu não revelar o nome por segurança, vários motoristas, incluindo mulheres, são ameaçados frequentemente nas ruas Padre Rolim e Grão Pará. 

"Eles ameaçam os motoristas pedindo para lavar o carro ou para deixar dinheiro para o café e falam que olham o veículo direitinho.  Caso não deixem dinheiro, não garantem nada. Estes indivíduos ameaçam mulheres e, por muitas vezes, dá para sentir o cheiro de entorpecentes usados por eles”, disse o analista de sistemas. 

Na última quarta-feira (15), após estacionar o veículo, ele foi abordado por flanelinhas que pediram dinheiro. Na ocasião, ele falou que não tinha, porque ainda não havia recebido o salário do mês. 

“Falaram que paro todo dia no local e que não ajudo com nada, que se acontecesse algo com meu carro não se responsabilizariam. À tarde, quando fui buscar meu carro, ele estava com o vidro molhado com urina”, lembrou o motorista, que acrescentou: “Todos os dias eles coagem e ameaçam os motoristas que não pagam uma taxa para eles. Está insuportável a situação”.

No entanto, de acordo com o analista, não é somente ele que está se sentindo coagido no local. “Aqui no setor onde trabalho, todo dia um relata problema com os flanelinhas. O caso da urina foi o mais ‘grave’, até o momento, digamos assim”, contou à reportagem. 

Após o ocorrido, ele procurou a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e registrou a denúncia. “Eu abri chamado no site da prefeitura no mapeamento de flanelinhas [...] Não registrei boletim na polícia porque fiquei com medo deles fazerem alguma coisa com meu carro e também porque na hora que peguei o veículo eles não estavam mais lá”, contou.

Resposta da prefeitura

"A Prefeitura de Belo Horizonte instituiu no ano de 2018 um projeto permanente de combate a flanelinhas, com ações de mapeamento e combate à prática. O aplicativo BH APP é a principal ferramenta deste projeto. A plataforma disponibiliza um link para que o usuário possa indicar em um mapa o ponto exato onde está ocorrendo a abordagem extorsiva contra motoristas e até enviar uma foto da cena, de maneira sigilosa e segura.

As denúncias recebidas via aplicativo possibilitam que a Guarda Municipal faça o mapeamento das áreas com maior incidência do problema. A partir de denúncias enviadas para o BH APP, a Guarda Municipal realizou um total de 1.427 abordagens no ano de 2021, que resultaram no registro de 13 ocorrências policiais, com 15 pessoas conduzidas a delegacias. Já em 2022, a Guarda Municipal já realizou, até o momento, 484 abordagens, com o registro policial condicionado de 02 ocorrências que terminaram na delegacia. As abordagens foram resultado de operações montadas a partir de informações repassadas no aplicativo BH APP.

A Guarda Municipal reitera que o crime de extorsão requer a formalização da denúncia ou flagrante de extorsão junto a autoridade policial. Em relação aos protocolos, a Prefeitura informa que as denúncias estão sendo apuradas pela Guarda Municipal que está planejando novas ações na região hospitalar".


Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido