Ouça a rádio

Compartilhe

Motorista de aplicativo nega versão de jovem que diz ser vítima de 'golpe do gás' e revela sofrer ameaças de morte

Ronaldo Antônio, de 31 anos, dirige pela Uber há dois meses  

Ronaldo Antônio enviou fotos do veículo para à Itatiaia e explicou que carro não era automático

O motorista de aplicativo denunciado por uma jovem, de 22 anos, negou que tenha soltado uma substância tóxica no carro enquanto a levava até a casa do namorado, no bairro Aparecida, na região Noroeste de Belo Horizonte, na tarde desse domingo (19). O homem que buscou a passageira no São Gabriel, na região Nordeste da capital, conversou com a reportagem da Itatiaia e relatou estar sofrendo ameaças.

“O meu trajeto durou em volta de 12 minutos e 49 segundos. Eu não entendi o motivo dessa moça estar me incriminando de algo que eu não fiz”, disse o motorista de aplicativo Ronaldo Antônio, de 31 anos, que trabalha na Uber há dois meses.

Em relato, a passageira disse que o motorista aumentou o som, fechou os vidros de trás e que foi possível ouvir o barulho de um spray. No entanto, Ronaldo nega todas as informações. Segundo ele, seu carro é novo, não possui rádio e os vidros do veículo são manuais.

“Os vidros traseiros do meu carro são de manivela, manual. O passageiro tem livre arbítrio de abrir ou fechar os vidros. O meu carro não tem opção de travamento dos vidros”, contou.

Além disso, ele afirmou que não soltou nenhum produto no ar enquanto dirigia. “Essa pessoa disse que queimou o rosto. Só que eu não entendi, porque não vi nenhum comportamento dela. Ela entrou calada e saiu do carro calada”, acrescentou.

Após o ocorrido, Ronaldo teve sua identidade divulgada nas redes sociais e teme por sua integridade física. “Um homem que disse que era namorado dela me ligou de chamada privada me ameaçando. Disse que ia cortar minha cabeça, que não ia ficar assim e eu perguntei a ele por quê? O que está acontecendo? E ele falou: ‘não quero nem saber’”, destacou.

Em seguida, ele relata que foi ameaçado de morte. “Falei com ele: ‘eu vou acionar um boletim de ocorrência contra a pessoa dele’, porque ele está me acusando de um crime muito sério, gravíssimo. Aí ele falou que já tinha feito um boletim de ocorrência contra a minha pessoa, sendo que a família dele é toda policial, que ele é policial, que eu mexi com família errada e desligou o telefone”.

Ronaldo registrou dois boletins de ocorrência. A jovem também procurou a polícia. Ambos relatos estão sendo investigados. “Eu simplesmente fui bloqueado pela Uber sem nenhuma explicação dela, sem motivo, estou sem trabalhar e dependo desse emprego", lamentou o motorista.


Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido