Ouça a rádio

Compartilhe

Indigenista desaparecido desafiava narcotráfico e garimpo no Amazonas

Bruno da Cunha Araújo Pereira é servidor da Fundação Nacional do Índio

Bruno da Cunha Araújo está desparecido desde domingo (5)

O servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) Bruno da Cunha Araújo Pereira está licenciado do órgão para trabalhar em um projeto voltado a melhorar a vigilância em territórios indígenas contra narcotraficantes, garimpeiros e madeireiros que atuam no Vale do Javari, Estado do Amazonas. A missão, conferida a ele por uma organização que representa povos isolados e de recente contato da região, vem desafiando o poder econômico de criminosos brasileiros, colombianos e peruanos que usam aldeias e comunidades ribeirinhas para exploração da floresta e para rota de tráfico.

Pereira está desaparecido desde a manhã do último domingo (5), quando deixou a comunidade São Rafael em direção à cidade de Atalaia do Norte (AM), num percurso que deveria durar duas horas. Experiente, ele atua na região desde 2010 e estava na companhia do jornalista inglês, Dom Phillips, do jornal britânico The Guardian. Ainda não se sabe qual o paradeiro da dupla. O caso ganhou repercussão internacional e mobiliza Polícia Federal, Exército, Marinha, Força Nacional e Ministério Público Federal. O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro da Justiça, Anderson Torres, ainda não se manifestaram.

Extremamente perigosa

A expedição por São Rafael é considerada extremamente perigosa. Especialistas na dinâmica do crime nas imediações da Terra Indígena (TI) do Vale do Javari não recomendam a passagem pela comunidade em grupos pequenos por causa da movimentação de criminosos estrangeiros e nacionais. Bruno Pereira e Dom Phillips estavam sozinhos numa embarcação de 40 HP, nova, e com combustível suficiente para o retorno.

Segundo experientes indigenistas ouvidos pela reportagem, a comunidade de São Rafael tem forte influência financeira de criminosos e é usada como base de partida de exploradores para dentro dos territórios protegidos. É um dos motivos para a existência de uma base da Funai, na confluência dos rios Ituí e Itacoaí. A instalação, erguida há décadas, constantemente é alvo de ataques a tiros.

A fiscalização de órgãos ambientais prejudica atividades criminosas praticadas por não indígenas. Uma simples malhadeira usada na pesca predatória pode custar R$ 5 mil e fazer parte de investimentos maiores para a estrutura necessária à exploração. Além disso, segundo indigenistas, os crimes costumam ser sobrepostos. Diferentes organizações atuam tanto no desmatamento quanto no garimpeiro e no tráfico de drogas.

Ameaças contra servidores e membros de organizações não governamentais são comuns. A reportagem colheu relatos de funcionários da Funai que preferiam dormir com a família em um único cômodo para tentar se proteger das ameaças de incêndio contra as habitações de madeira.

A tensão na localidade existe há décadas e, de acordo com profissionais que trabalham na localidade, só vem piorando. Eles se queixam de falta de respostas das autoridades ao assassinato de Maxciel Pereira dos Santos, colaborador da Funai, morto em setembro de 2019. Ele trabalhava em uma base do órgão no Vale do Javari.

Últimos passos

O relato mais detalhado sobre os últimos passos de Bruno Pereira e Dom Phillips foi feito em conjunto pela União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja), para a qual o indigenista fazia a coordenação técnica de um trabalho de vigilância, e pelo Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato (Opi).

Primeiro, eles visitaram a equipe de vigilância indígena na localidade de Lago do Jaburu, próximo à base da Funai, e Phillips pôde fazer uma série de entrevistas, na sexta-feira, 3. Segundo o relato, ambos partiram na manhã de domingo, 5, de volta para a cidade de Atalaia do Norte. No caminho, porém, eles pararam em São Rafael porque Bruno Pereira tinha uma reunião marcada com um líder local identificado como "Churrasco" para tratar do projeto de vigilância nas terras indígenas.

O equipamento de GPS registrou que ambos chegaram na comunidade por volta das 6 horas de domingo. "Churrasco" não estava no local, apesar do encontro agendado e, segundo o informe, Pereira conversou com a esposa do líder antes de continuar o caminho de volta para Atalaia.

A pauta do encontro era o projeto da Univaja, coordenado por Pereira, que visa "treinar e equipar" indígenas para que eles defendam os próprios territórios com estratégias de monitoramento presencial e remoto de atividades ilegais. O Vale do Javari é 80 vezes maior do que a cidade de São Paulo e tem acessos a partir do Peru e da Colômbia.

Em uma entrevista publicada pela WWF-Brasil em dezembro, Bruno Pereira afirmava que o cenário era dramático. Por meio do projeto, os indígenas formaram equipes para que fossem treinadas por exemplo, na operação de drones e computadores. "Trabalho lá há 11 anos e nunca vi uma situação tão difícil. Os indígenas dizem que hoje a quantidade de invasões é comparável à do período anterior à demarcação. Por isso é absolutamente necessário que os indígenas busquem suas formas de organização, montando um esquema de monitoramento capaz de frear conflitos violentos", afirmou.

Em nota, a Funai informou que Bruno Pereira "não estava na região em missão institucional" e que "está em contato com as forças de segurança que atuam na região".

O presidente Jair Bolsonaro (PL) escolheu para o comando da Funai o delegado e pastor evangélico Marcelo Xavier. Pela primeira vez desde a ditadura, nenhuma nova terra indígena foi demarcada. Xavier tem ligação com ruralistas e chegou a se tornar réu por descumprir decisão da Justiça que o obrigava a dar andamento à demarcação de um território Munduruku.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido