Ouça a rádio

Compartilhe

Godín volta a falar de 'desejo por minutagem' e possível saída do Atlético

Uruguaio de 36 anos deve trocar o Atlético pelo Vélez Sarsfield, da Argentina, para ter passaporte garantido para a Copa

Diego Godín, zagueiro de 36 anos, deve trocar o Atlético pelo Vélez Sarsfield, da Argentina

Dos 33 jogos que o Atlético fez na temporada, o zagueiro Diego Godín fez apenas nove. Contratado para ser o substituto imediato de Junior Alonso, companheiro de posição que foi vendido ao futebol russo por quase R$ 50 milhões, o uruguaio não se firmou na posição e, com o retorno do paraguaio, por empréstimo, ficou para segundo plano no elenco comandado pelo técnico Antonio Mohamed.

Com vínculo até o final da temporada com o Galo, o capitão da Celeste Olímpica sonha em disputar a Copa do Mundo, no Catar, e, para isso, corre contra o tempo para ganhar minutagem e espaço. Porém, como o cenário no Galo não favorece a titularidade, ele não esconde que o futuro pode ser em outra equipe.

Na mira do Vélez Sarsfield, da Argentina, Godín pode ser liberado pela diretoria atleticana e a saída, conforme apurou a Itatiaia, seria com rescisão amigável entre as partes. Contudo, a situação do zagueiro de 36 anos ainda não está definida. No país hermano, a possível ida para o atual clube de Lucas Pratto, ex-jogador do alvinegro, é tratada como 'contratação histórica e de impacto', por tudo que o uruguaio representa no cenário mundial.

Em entrevista ao Ovácion, seção de esportes do jornal El País, ele falou sobre o assunto e não negou a possibilidade de arrumar as malas e trocar de clube.

" É um tema que tenho que resolver e é verdade que estou avaliando a situação. Faltam cinco meses para a Copa do Mundo e minha prioridade é chegar da melhor forma, não penso em dinheiro ou títulos, só penso em ter uma boa qualidade de treino, de minutos e confiança para chegar da melhor forma à seleção", destacou Godín, que também deixou claro que, pelo contrato em andamento com o Galo, não tomará nenhuma decisão sem aval da diretoria.

"No mês passado, no Brasil, parei uns 15 dias para me recuperar, para fazer um tratamento mais específico, e melhorei bastante, mas tem seus altos e baixos. Como o médico me disse, “Diego, isso vai passar quando você parar um mês e meio, dois meses”. Agora eu não posso, então temos que melhorar com trabalho", finalizou.

Leia Mais

Mais lidas

Ops, não conseguimos encontrar os artigos mais lidos dessa editoria

Baixar o App da Itatiaia na Google Play
Baixar o App da Itatiaia na App Store

Acesso rápido