Ouça a rádio

Ouvindo...

Times

Jovem queimada viva na Grande BH: Justiça mantém prisão de suposto autor do crime

Daniel Lemes Ferreira disse em audiência que nasceu no Paraguai e,n a verdade, se chama Ruan; Layze Stephenie foi encontrada em chamas, ainda viva, às margens de rodovia da Grande BH

A Justiça de Minas Gerais manteve a prisão de Daniel Lemes Ferreira, suspeito de envolvimento no assassinato da jovem Layze Stephenie da Silva, de 21 anos, que foi sequestrada, torturada e encontrada em chamas, ainda viva, às margens de uma rodovia na região metropolitana de Belo Horizonte (mais detalhes do caso no fim da matéria).

Na decisão, a juíza Juliana Miranda Pagano afirmou ter identificado ‘violência real e direta contra a vítima, a qual estava com o corpo em chamas, correndo às margens da BR-040 e gritando por socorro’. O processo está registrado com os crimes de homicídio qualificado, extorsão mediante sequestro e uso de documento falso. O mandado de prisão preventiva já foi expedido e, com isso, Daniel segue detido até decisão contrária da Justiça.

Suspeito alega ser paraguaio

Daniel disse aos policiais que é natural do Paraguai e se chama, na verdade, Ruan Salinas. Ele teria adotado o nome Daniel Lemes Ferreira ao se mudar para o Brasil, há quase 20 anos. Porém, em seus documentos, ele aparece registrado em Antônio João, cidade do Mato Grosso do Sul que fica na fronteira com o Paraguai.

Por conta dessa dúvida, Daniel vai passar por um exame datiloscópico (análise das impressões digitais) para que a verdadeira identidade do suspeito seja confirmada.

O suspeito já havia se confundido em uma entrevista ao Itatiaia ao dizer que não conhecia a mulher que emprestou a chave Pix em que ele receberia o pagamento do resgate pelo sequestro de Layze (veja a entrevista no vídeo abaixo).

Leia também

Entenda o caso

Um homem e uma mulher, suspeitos de participação no crime, foram presos pela PM nesta terça-feira (20). A jovem foi encontrada com o corpo em chamas por um caminhoneiro que passava por um trecho da BR-040 na cidade de Pedro Leopoldo, na Grande BH, na noite dessa segunda-feira (19). O motorista acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a polícia imediatamente.

Layze teve 90% do corpo queimado e morreu ao dar entrada no Hospital João XXIII. Além das queimaduras, a jovem sofreu pelo menos sete facadas em todo o corpo. De acordo com a polícia, ela foi sequestrada e estava sendo mantida em cárcere privado desde o domingo (11) de Carnaval.

A família da Layze conta que, desde o desaparecimento, passou a receber ameaças, para quitar a dívida. Caso contrário, ela seria morta pelo “tribunal do crime”. A família tentou juntar dinheiro para pagar, mas não conseguiu todo o valor.

Prisão

Militares tiveram acesso à chave PIX enviada para o pagamento da dívida. Os policiais encontraram o homem e a mulher em um carro nas imediações do bairro Jardim Leblon, região de Venda Nova, em BH. O veículo foi alugado pela suspeita, que nega participação no crime. Ela afirmou aos policiais apenas ser a dona da chave PIX repassada à família da vítima.

Já o homem preso estava com três identidades falsas. O nome usado por ele não foi encontrado no banco de dados. O suspeito afirmou ser do estado de Mato Grosso do Sul, informação também não confirmada pelas autoridades.

Participe do canal da Itatiaia no Whatsapp e receba as principais notícias do dia direto no seu celular. Clique aqui e se inscreva.

Repórter policial e investigativo, apresentador do Itatiaia Patrulha.
Jornalista formado pela UFMG, com passagens pela Rádio UFMG Educativa, R7/Record e Portal Inset/Banco Inter. Colecionador de discos de vinil, apaixonado por livros e muito curioso.
Leia mais