Ouvindo...

Times

Justiça absolve três policiais pela morte de adolescente baleado em casa no RJ

João Pedro, de 14 anos, brincava na casa do tio, com amigos, quando foi atingido por um tiro de fuzil nas costas; a casa do tio ficou com mais de 70 marcas de tiros

A Justiça do Rio de Janeiro absolveu os três policiais civis da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) pela morte do adolescente João Pedro, 14 anos, baleado em 2020, dentro de uma casa, durante uma operação policial em São Gonçalo, na região metropolitana.

A juíza Juliana Bessa Ferraz entendeu que os agentes agiram em legítima defesa. João Pedro morreu durante uma ação conjunta das Polícias Federal e Civil no dia 18 de maio de 2020. Ele brincava dentro da casa do tio, com amigos, quando foi atingido por um tiro de fuzil nas costas. O adolescente chegou a ser socorrido de helicóptero, mas não resistiu. A casa do tio ficou com mais de 70 marcas de tiros.

Quase dois anos após a morte do adolescente, a Justiça aceitou a denúncia contra os três policiais civis, que se tornaram réus por homicídio duplamente qualificado e foram denunciados por fraude processual. Na época, os agentes envolvidos afirmaram que traficantes da região de São Gonçalo pularam o muro da casa onde João Pedro estava e dispararam contra os policiais, arremessando granadas na direção dos agentes. Já a família do jovem e testemunhas ouvidas pela polícia disseram que os policiais já chegaram atirando e que não havia confronto.

Leia também: Polícia do Rio investiga abordagem violenta de PMs a adolescentes negros filhos de diplomatas

Cena do crime alterada

As investigações apontaram que a cena do crime foi alterada pelos acusados, para criar vestígios de um confronto com criminosos. Segundo o MP, os agentes envolvidos na ação que resultou na morte de João Pedro plantaram no local diversos explosivos, uma pistola Glock, calibre 9 milímetros, e posicionaram uma escada junto ao muro dos fundos do imóvel. O Ministério Público fez a reconstrução do crime e concluiu que o tiro que matou João Pedro saiu da arma de um dos policiais.

Leia também


Participe dos canais da Itatiaia:

Diana Rogers tem 34 anos e é repórter correspondente no Rio de Janeiro. Trabalha como repórter em rádio desde os 21 anos e passou por cinco emissoras no Rio: Globo, CBN, Tupi, Manchete e Mec. Cobriu grandes eventos como sete Carnavais na Sapucaí, bastidores da Copa de 2014 e das Olimpíadas em 2016.
Leia mais